Polícia

Interno do Presídio Federal de Campo Grande teria ordenado chacina em Manaus

Seria um dos líderes da FDN

Renata Portela Publicado em 09/01/2017, às 13h35

None
ze_roberto.jpg

Seria um dos líderes da FDN

José Roberto Fernandes Barbosa, de 44 anos, o ‘Zé Roberto da Compensa’, teria dado a ordem para a chacina que resultou na morte de 56 presos do Compaj (Complexo Penitenciário Anísio Jobim), no primeiro dia de 2017. Preso em 2015, José Roberto cumpre pena no Presídio Federal de Segurança Máxima de Campo Grande.

Além de Zé Roberto, estão encarcerados em Campo Grande outros chefes da FDN (Família Do Norte), facção que comanda o tráfico de drogas na região norte do país. Apontado como um dos principais líderes da facção, José foi preso em 2015, na Operação La Muralla, com outros 16 chefes. Eles foram encaminhados, a princípio, para prisões no Amazonas, no RDD (Regime Disciplinar Diferenciado), onde ficavam isolados.

Transferidos para Mato Grosso do Sul, eles passaram a ter direito a visitas. Conforme matéria divulgada pelo Fantástico, da TV Globo, a ordem que chegou a Manaus foi executada por bandidos do terceiro escalão da quadrilha. A intenção era matar os detentos da facção paulista, rival à FDN, o PCC (Primeiro Comando da Capital).

O Compaj estaria localizado em uma área estratégica, a rota do rio Solimões, por onde a droga que é produzida no Peru e na Colômbia entra no Brasil.

Rebelião

No domingo (1º), uma rebelião que, segundo o governo do Amazonas, é resultado de uma guerra entre as facções Família do Norte e PCC (Primeiro Comando da Capital) por disputa por espaço no tráfico de entorpecentes no Estado, terminou com a morte de 56 presos e fuga de outros 184, dos quais, 136 ainda estariam foragidos.

Uma segunda rebelião terminou com a morte de outros quatro presos, totalizando 60 mortes. O massacre é o maior em um presídio brasileiro desde o ocorrido no Carandiru.

*Foto: site Em Tempo

Jornal Midiamax