Polícia

Garota que fugiu diz não se lembrar de ‘caroneiros’, que podem ficar sem punição

Motoristas podem responder por indução à fuga 

Clayton Neves Publicado em 05/07/2017, às 18h05

None

Motoristas podem responder por indução à fuga 

A adolescente de 15 anos que fugiu de casa, em Sonora, após ser pressionada pela mãe a casar com o namorado 10 anos mais velho, disse à polícia que não se lembra com quem pegou carona para chegar até Campo Grande. Pela dificuldade em identificá-los, os caminhoneiros que ajudaram a garota na fuga devem ficar sem punição.Garota que fugiu diz não se lembrar de 'caroneiros', que podem ficar sem punição

O caso foi encaminhado para a Depca (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente) depois de a menina ser ‘resgatada’ pela Polícia Militar em um posto de combustível da saída de Campo Grande, na manhã desta quarta-feira (5).

Conforme o delegado Paulo Sérgio Lauretto, os envolvidos podem ser enquadrados no crime de indução à fuga por ajudar um menor de idade a de casa, porém, não há nenhuma informação sobre quem teria dado carona para a adolescente. “Ela disse que não se lembra com que pegou carona e como diariamente milhares de veículos passam pelas rodovias, identificar os responsáveis fica limitado”, disse.

Acionado pela Depca, o Conselho Tutelar da Região Sul de Campo Grande deve dar início na tarde desta quarta-feira aos procedimentos necessários para garantir a proteção da menina.

De acordo com a conselheira Tatiane Lima, que deve acompanhar o caso, o órgão vai conversar com a adolescente e entrar em contato com a família para entender o caso.

“Ainda não tomamos conhecimento do que aconteceu, vamos  agora à tarde na delegacia para ter acesso ao Boletim de Ocorrência, conversar com a adolescente e fazer o que for preciso para garantir sua segurança”, explicou Tatiana.

O caso

Seguir o sonho de ser cantora e escapar de um casamento indesejado são os motivos apontados pela garota de 15 anos de idade que fugiu de casa e foi ‘resgatada’ pela Polícia Militar em um posto de combustível da saída de Campo Grande, na manhã desta quarta-feira (5). Ela viajou mais de 300 quilômetros em 2 dias pedindo carona desde Sonora até a Capital.

Os militares da 6ª CIPM (Companhia Independente da Polícia Militar), pelotão Moreninha, foram chamados pelos funcionários do posto, que estranharam a adolescente sozinha no local. Ali, encontraram a jovem, que logo contou toda a história e falou que desde segunda-feira (3) viajava de carona.

Ela saiu de Sonora, a 351 quilômetros de Campo Grande, depois de fugir de casa. O motivo, segundo ela, começava com a falta de incentivo para realizar seu sonho, de ser cantora. Mas ia além disso, já que estaria sendo pressionada para casar com o namorado, de 25 anos.

Segundo a versão da garota, os dois namoravam desde que ela tinha 13 anos e há seis meses ficaram noivos. Diante da pressão da mãe, de 40 anos, para casar com o rapaz, ela alegou que viu o incentivo que precisava para fugir de casa. “Não tenho diálogo com minha mãe. Falei que não queria casar, mas ela não me escutava”, lembrou.

Para ela, o mesmo acontecia quando falava do sonho. “Não tenho incentivo”. Fã de Anitta e vinda de uma família evangélica, a jovem reforça que não quer seguir a carreira gospel, mas sim ser cantora popular, como o ídolo. Foi motivada a se tornar famosa que veio para Campo Grande.

Até essa manhã, nenhum boletim de ocorrência de desaparecimento foi registrado em nome da adolescente.

A jovem contou que nem em casa, nem nas coronas que pegou, sofreu qualquer tipo de violência.

Jornal Midiamax