Depois de 3 meses, corpo de idoso encontrado em terreno continua sem identificação

Falta de reagentes no Imol teriam impedido exames 
| 30/05/2017
- 16:26
Depois de 3 meses, corpo de idoso encontrado em terreno continua sem identificação

Falta de reagentes no Imol teriam impedido exames 

O corpo encontrado nu em um terreno baldio da Vila Morumbi, no dia 27 de fevereiro deste ano, continua sem identificação no Imol (Instituto de Medicina e Odontologia Legal). O motivo seria a falta de reagentes para a realização do exame de DNA, que persiste mais de três meses. Por conta disso a família da possível vítima, identificada no local pelas roupas, ainda não conseguiu enterrar o parente.

No dia em que o corpo foi encontrado, a polícia achou documentos em nome de Joaquim de Souza Santos e peças de roupa ao lado do corpo. Horas depois, a sobrinha do homem procurou a polícia e fez o reconhecimento das roupas e de uma botina apreendida, como sendo do tio.

 

Ainda assim, o corpo estava em avançado estado de decomposição e para que a polícia tivesse certeza da identificação, a vítima foi levada para o Imol, onde deveria passar por exames de DNA e necropsia. Três meses depois, a incerteza e a dúvida do que aconteceu com Joaquim continuam por falta de reagentes para concluir os exames.

Segundo apurado pelo Midiamax, os exames que apontaria as causas da morte também não ficaram prontos por conta da falta de identificação do corpo, que sequer passou por raio-x, já que sem nome não é possível emitir o laudo. As investigações do caso são realizadas pela 4ª Delegacia de Polícia Civil.Depois de 3 meses, corpo de idoso encontrado em terreno continua sem identificação

 

A equipe de reportagem encontrou em contato com a Coordenadoria Geral de Perícias, mas foi informada de que a responsável estava em reunião e só poderia falar com a imprensa mais tarde.

O caso

Vizinhos encontraram o corpo do idoso depois de desconfiarem do forte cheiro e por um celular que não parava de tocar no terreno. A vítima estava nua e em avançado estado de decomposição, o que não permitiu a perícia encontrar lesões no corpo.

Depois que a família reconheceu as roupas de Joaquim, a polícia foi informada que o idoso estava desaparecido há 7 dias. No dia 21 de fevereiro, Joaquim teria saído de casa, afirmando que só iria sacar um dinheiro e logo estava de volta, mas depois disso não foi mais visto, nem atendeu às ligações da família do celular.

 

Veja também

Suspeito roubou televisão de 32 polegadas e diversos eletrônicos na madrugada dessa terça-feira (5)

Últimas notícias