Polícia

Catador perdoa esposa, culpa álcool por incêndio que destruiu barraco e pede ajuda

Polícia esteve no local 

Midiamax Publicado em 04/07/2017, às 11h12

None

Polícia esteve no local 

“É uma boa mulher, uma boa companheira, quando ela não bebe, se ela beber corre dela”. Foi assim que o catador de materiais recicláveis Ramão de Jesus, de 47 anos, explicou a atitude da mulher que ateou fogo no barraco em que eles moravam na noite desta segunda-feira (3), no Jardim Colibri, em Campo Grande. Agora, ele pede ajuda para reconstruir a vida, já que até a moto que usava para trabalhar foi consumida pelo incêndio.

O incêndio destruiu completamente o local em que o catador morava a cerca de um ano e consumiu geladeira, fogão, micro-ondas e até a moto que ele usava no trabalho, para recolher os materiais recicláveis. Ainda abalado com o prejuízo, Ramão afirmou que a mulher é uma boa pessoa, mas vira outra quando ingere bebidas alcoólicas.

O casal estava junto a 8 meses e na semana passada teria se separado por conta do problema da autora, que já tinha ameaçado atear fogo na casa, com o álcool. Os dois reataram e segundo Ramão tudo estava em paz, até essa segunda-feira. “Quando cheguei do trabalho ela já estava alterada, com uma faca na mão. Eu saí para ela se acalmar, fui dar uma volta na região e quando voltei de noite já estava tudo destruído”, lamentou.

As chamas consumiram os bens do casal e ainda atingiu um barraco vizinho, que ficou com uma das paredes destruída. Para a polícia, a mulher de 37 anos negou o crime inicialmente, mas depois confessou que havia brigado com o marido e para se vingar ateou fogo em um colchão, usando um isqueiro e foi levada para a delegacia.Catador perdoa esposa, culpa álcool por incêndio que destruiu barraco e pede ajuda

Equipes da Polícia Civil estiveram no local e o morador deve prestar depoimento nesta tarde. Agora o catador tenta reconstruir a vida e já ganhou um novo lote no mesmo assentamento para reconstruir o barraco. Para isso conta com a ajuda de vizinhos e moradores da região que quiserem colaborar.

Quem puder ajudar Ramão pode entrar em contato com ele pelo telefone: (67) 99304 8183.

Jornal Midiamax