Polícia

500 adolescentes marcam ‘treta’ no Facebook regada a drogas em terminal da Capital

No WhatsApp circulava um link para a página: “Treta no Terminal, 26/01, 15h

Diego Alves Publicado em 26/01/2017, às 23h43

None
jc.jpg

No WhatsApp circulava um link para a página: “Treta no Terminal, 26/01, 15h

Aproximadamente 500 jovens marcaram presença em uma pagina na rede social Facebook  para uma briga entre adolescentes das quatro regiões de Campo Grande, zona oeste, leste, norte e sul, na tarde desta quinta-feira (26) no terminal Júlio de Castilho. Quinze adolescentes foram apreendidos e levados à sétima delegacia, que fica ao lado do terminal.

Os infratores irão responder por incitação ao crime. Um maior de idade e quatro meninas também estavam entre os que foram levados à delegacia. As autoridades identificaram quatro jovens como os “organizadores” da “treta” e, após o registro policial, todos foram liberados com a presença dos pais ou responsáveis.

A ‘treta’ que seria às 15 horas e foi impedida pela Guarda Municipal, Polícia Militar e Civil, tinha até uma página no Facebook desde o último dia 23 de janeiro.

No WhatsApp circulava um link para a página: “Treta no Terminal, 26/01, 15h; local Terminal Júlio de Castilho; Atenção: É expressamente liberada a entrada e/ou permanência de drogas no terminal, caso encontrado será dividido no local; liberado mangueio; envolvidos em brigas serão gravados e expostos no Facebook; trazer câmera fotográfica para gravar a treta”.

“!! Não me responsabilizo por perdas de dentes, cabaç.. ou qualquer outra coisa, cuide do que é seu, e de seu c.!!”. Este era o chamado com o link no WhatsApp da página que foi retirada pouco antes da “treta” ter sido frustrada, ou “molhada”, tal como avisaram pela internet, alguns jovens que chegaram primeiro ao terminal.

A Guarda Municipal da região do Imbirussu foi quem de início constatou a mobilização dos menores para a briga marcada pela internet. Daí então foi realizada uma ação conjunta entre a Guarda, PM do 1°BPM e Polícia Civil.

Às 14 horas, guardas descaracterizados já estavam no Júlio de Castilho e monitoraram a chegada dos primeiros adolescentes. Com a chegada do reforço, os avisos de “moiô”, “moiô” na página do Facebook alertaram o restante dos adolescentes que chegavam ao local de transbordo onde ocorreriam as brigas e uso de drogas. No momento em que a reportagem chegou à delegacia todos os jovens já tinham sido liberados.

Jornal Midiamax