Polícia

VÍDEO: turista denuncia extorsão na fronteira da polícia paraguaia

Os policiais foram detidos

Diego Alves Publicado em 26/01/2016, às 00h29

None
640x536x4-56a667fad330c06a024eb6ceb3febf73c4e53cb5b3871.jpg

Os policiais foram detidos

Circulou nas redes sociais Facebook e Whatsapp principalmente na fronteira de Ponta Porã e Pedro Juan Caballero, o vídeo de um turista do interior de São Paulo que relatou ter sido extorquido por policiais paraguaios em Pedro Juan Caballero na última sexta-feira (22).

O turista identificado como Euver Silveira Correa de Mathias de 31 anos, morador de Panorama (SP), fez a denúncia após uma compra que ele e outros três amigos fizeram na cidade paraguaia. Ele conta que quando estavam no veículo Ford Fiesta foram parados por quatro policiais da Policia Nacional do Paraguai que estavam em uma viatura.

Pelos relatos do vídeo, os policiais paraguaios pediram os documentos pessoais e dos veículos, mas em determinado momento informaram que havia algo errado com uma das pessoas que estava no carro e por isso precisavam levá-los para a sede da Policia Nacional, na Comissária Primeira.

No local, de acordo com as informações do vídeo, os policiais trancaram o portão e passaram a intimidar os turistas com tortura psicológica. Euver disse que os policiais pediram R$ 5 mil reais para soltá-los, mas os turistas disseram que não portavam essa quantia e não tinha como pagar.

De acordo com o site Ponta Porã Informa, depois de mais algum tempo os policiais então baixaram o preço para R$ 2 mil reais. Após 4 horas, foi pago o valor e os três foram soltos.

O Comissário Chefe disse que os policiais foram detidos para averiguação. Ele também informou que a lei do Paraguai autoriza a detenção de uma pessoa por até 6 horas para ter maiores informações.

Por causa da atual crise financeira, que afasta os turistas da região, e um caso como este que pode piorar a situação, Pedro Boudimam, presidente da Câmara do Comércio local, procurou e conseguiu contato com Euver via telefone, que confirmou a denuncia feita por vídeo e disse que poderia até representar contra os policiais na justiça do Paraguai se for o caso.

Demais comerciantes foram até a unidade policial para cobrar para que os policiais fossem punidos. A justiça do Paraguai então tomou a decisão de afastar e abrir um processo administrativo que pode expulsá-los.

Os policiais envolvidos são: O oficial inspetor Mario Huerta Noldin, o suboficial Jorge Rubén Rivas, suboficial Romualdo Villalba e o suboficial Ronys Lezcano, que já foram transferidos na manhã desta segunda-feira, dia 25 de janeiro, para Assunção onde ficarão detidos aguardando a decisão do processo administrativo.

Jornal Midiamax