Polícia

VÍDEO: reconstituição de homicídio em banco pode esclarecer o caso

Depoimentos e laudo da Perícia não batem

Renata Portela Publicado em 15/09/2016, às 14h31

None
homicidio_banco2.jpeg

Depoimentos e laudo da Perícia não batem

Desde as 9 horas desta quinta-feira (15), equipes da Polícia Civil e Perícia trabalham na reconstituição do homicídio de Celso de Jesus Gomes, de 40 anos. A reprodução simulada conta com a presença de Arivaldo Gadea Marcelino, que é considerado o autor do crime e está acompanhado do advogado.

O delegado da 1ª Delegacia de Polícia Civil, Miguel Said, que cuida das investigações, disse que a reprodução simulada do crime é feita porque houve divergências entre os depoimentos de testemunhas feitos na delegacia e o que foi constatado pela Perícia no início. Com a reconstituição, a polícia terá uma noção melhor do que realmente aconteceu.

Em até 15 dias, com o laudo da reconstituição, o delegado acredita que já terá resolvido o caso. Arivaldo chegou a ser detido em flagrante no dia do homicídio, mas responde em liberdade. A primeira informação é de que o tiro que atingiu Celso teria sido disparado sem querer, mas o fato ainda é apurado.

Família duvida de acidente

A viúva Eliana Simões, de 38 anos, e a irmã de Celso, Aparecida Graça de Jesus, de 45 anos, acompanham de longe a reconstituição. Do outro lado da rua, as duas afirmam com certeza que o crime não foi um acidente. Eliana era casada com Celso há 18 anos e do relacionamento teve três filhos, de 9, 15 e 17 anos.

Para a viúva, a polícia faz um bom trabalho e está empenhada em chegar até a verdade dos fatos. Ela ainda afirma que não acredita em acidente. “A não ser que a bala tenha mola”, disse. O marido, que media 1,75m, foi morto com um tiro na cabeça e a versão dada por Arivaldo é que a arma caiu no chão e disparou contra o segurança.

Ainda pra Eliana, não se trata de uma rixa, já que os vigias não trabalhavam juntos e nem se conheciam. Ela acredita que algum desentendimento na hora do crime teria motivado o homicídio. Já a irmã de Celso afirma com toda certeza que não foi um acidente. Ela ainda diz que viu Arivaldo chegar e o achou uma pessoa cínica, já que mesmo sabendo que elas eram familiares de Celso, não demonstrou empatia e nem mesmo foi até elas pedir desculpas.

Confira AQUI o vídeo

Jornal Midiamax