Polícia

Oficial preso por posse de maconha em base da PM volta ao serviço

Está em liberdade

Renata Portela Publicado em 20/10/2016, às 15h05

None
vista_alegre_0.jpg

Está em liberdade

A justiça acatou o pedido de relaxamento da prisão do tenente Cezar Alexandre Piccoli, ex-comandante da Base Operacional de Vista Alegre da PMRE (Polícia Militar Rodoviária Estadual). Ele foi solto há menos de uma semana e responderá ao processo em liberdade e já retornou ao trabalho.

Extraoficialmente, policiais que trabalham ou já trabalharam com o tenente entraram em contato com a reportagem denunciando que o oficial poderia ter sido vítima de uma 'casinha', ou seja, flagrante armado. Piccoli é apontado como um oficial 'austero' e a pouca quantia de maconha encontrada fez os colegas duvidarem do envolvimento dele com tráfico de drogas. A suspeita é de que ele tenha interferido em algum esquema de contrabando envolvendo outros militares.

O tenente foi preso após 2,4 quilos de maconha serem flagrados 'mocados' na base, em um armário. Piccoli, que foi diretor-financeiro da Associação de Cabos e Soldados da PMMS, está sendo representado no caso pela assessoria jurídica da entidade.

Segundo o advogado Deiwes William Bosson Silva, o juiz entendeu que, mesmo se condenado o policial ficará menos de um ano preso, portanto permitiu que ele responda o processo em liberdade. O tenente já voltou ao serviço, mas foi realocado em outro batalhão.

O oficial deve responder pelos rimes qualificados nos artigos 290 e 324 do CPM (Código Penal Militar), que consistem em “Receber, preparar, produzir, vender, fornecer, ainda que gratuitamente, ter em depósito, transportar, trazer consigo, ainda que para uso próprio, guardar, ministrar ou entregar de qualquer forma a consumo substância entorpecente, ou que determine dependência física ou psíquica, em lugar sujeito à administração militar, sem autorização ou em desacordo com determinação legal ou regulamentar” e “Deixar, no exercício de função, de observar lei, regulamento ou instrução, dando causa direta à prática de ato prejudicial à administração militar”

Jornal Midiamax