Polícia

Namoradas de bandidos se passaram por prostitutas para roubar arquiteto

Aplicaram boa noite cinderela na vítima               

Thatiana Melo Publicado em 20/10/2016, às 13h08

None
whatsapp_image_2016-10-20_at_09.36.41.jpeg

Aplicaram boa noite cinderela na vítima               

O arquiteto que teve a camionete roubada no dia 7 de outubro, depois de ser sequestrado na região central de Campo Grande, teria sido escolhido aleatoriamente pelos bandidos, que foram presos pela Defurv (Delegacia Especializada de Furtos e Roubos de Veículos).

A quadrilha era composta por sete pessoas, Fabricio Junior Alves Silva, vulgo ‘Buiú’, de 21 anos, Thiago de Campos Golçalves, vulgo ‘Batata’, de 18 anos, Renan Ruan Paiva Figueiredo, de 19 anos, Vitor Matheus de Moraes Pinheiro, vulgo ‘Vitão’, de 18 anos, Natanael Batista do Nascimento Junior, vulgo ‘Juninho bomba’, de 20 anos, Thaís Dias Alves da Silva, de 18 anos e uma adolescente, de 16 anos.

Depois da prisão de Fabrício e Thiago pela PRF (Polícia Rodoviária Federal), na BR-267, os policiais da Derfuv, com o depoimento dos autores, conseguiram chegar até o restante da quadrilha.

À polícia, segundo divulgado, os autores não teriam dado muitos detalhes do crime. Apenas afirmaram que Fabricio teria uma ordem de levar uma camionete para o Paraguai. O crime foi arquitetado e colocado em prática pela quadrilha, no mesmo dia, conforme as investigações.

O arquiteto teria sido escolhido aleatoriamente por eles, que tinham combinado com as mulheres, que seriam namoradas de dois integrantes da quadrilha, de atrair a vítima. Depois de várias voltas pela cidade e da ingestão de bebidas alcóolicas em bares, a vítima teria sido abordada por seis dos sete integrantes da quadrilha.

Ele foi amarrado e deixado por algumas horas dentro do veículo, até o momento que foi libertado próximo a um frigorífico, onde conseguiu pedir ajuda. Ainda de acordo com informações do delegado Gustavo Ferraris, da Defurv, o arquiteto teria sido dopado com um remédio tarja preta em gotas, que as mulheres colocaram na bebida da vítima.

O carro seria levado para Bela Vista do Norte, no Paraguai. “Pela ação e planejamento pode ser que este não seja o primeiro roubo cometido por eles”, disse Ferraris. O delegado ainda espera o resultado do exame feito pela vítima para tentar identificar o remédio.

A quadrilha deve responder por roubo qualificado por concurso de pessoas, restrição de liberdade da vítima, transporte de veículo para o exterior, associação criminosa e corrupção de menores.

Jornal Midiamax