Polícia

Menino torturado em rituais de magia fará cirurgia e não tem previsão de alta

Garoto já passou por uma cirurgia na orelha

Alan Diógenes Publicado em 26/02/2016, às 19h00

None
10600607_992534537502709_4451343669899085291_n.jpg

Garoto já passou por uma cirurgia na orelha

Nesta sexta-feira (26) faz exatamente quatro dias que o menino de quatro anos torturado pelos tios, durante rituais de magia negra, está internado na Santa Casa de Campo Grande. O hospital informou que não há previsão de alta e que a criança está sendo assistida por oito profissionais.

Conforme a Santa casa, o menino está isolado em uma ala do hospital e tem o acompanhamento de uma cuidadora. Além disso, mais sete profissionais como:  cirurgião plástico, pediatra, fisioterapeuta, oftalmologista, otorrinolaringologista, psicólogo e assistente social fazem visitas diárias à criança.

Durante as agressões, ele teve uma dos braços quebrados e o ferimento sarou em casa. Também deu entrada no hospital com diversos edemas no rosto e uma infecção no ouvido. Uma pequena cirurgia foi feita na orelha da criança para retirada de líquido.

Quando deu entrada no hospital também tinha ferimento em um dos olhos. A enfermeira que o atendeu temia que ele perdesse a visão, mas aos poucos ele vai se recuperando do olho.  O caso do menino ainda inspira cuidados e novas cirurgias só poderão ser feitas depois de sua recuperação.

O menino está consciente e orientado e recebe antibióticos na veia para a resistência bacteriana. Segundo o hospital, ele está estável, tem boa aceitação alimentar e bom relacionamento com a equipe que o assiste. Também apresenta comportamento dócil e muito colaborativo.

Hoje serão realizados exames laboratoriais de rotina, para controle da eficácia do tratamento com antibióticos.

Prisões dos acusados

Segundo a Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário), o tio do menino e o primo de 18 anos estão presos no Instituto Penal de Campo Grande separados da massa carcerária. Já a tia foi levada para uma delegacia de Polícia Civil, não revelada, em Corumbá, a 444 quilômetros de Campo Grande.

Ela seria levada para o estabelecimento Penal Feminino da cidade, mas as detentas fizeram protesto ao saberem que a tia do menino de 4 anos, vítima de tortura, seria transferida para o presídio. Conforme o diretor-presidente da Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário), Ailton Stropa Garcia, detentas consideradas mais exaltadas devem ser removidas para outros estabelecimentos e a intenção é de que a acusada volte ao presídio posteriormente.

O caso

A criança foi resgatada na noite de terça-feira (23) depois de uma visita de rotina do abrigo que constatou os machucados no menino, que tinha muitas lesões pelo corpo, nas costas, pescoço e teve a unha do dedão do pé arrancada, além de ter água quente derramada em sua cabeça.

O garoto foi levado para a Santa Casa da Capital e segundo informações da enfermeira que atendeu o menino, ele pode até perder a visão dos dois olhos devido às agressões sofridas.

O casal, de 31 e 46 anos, tios do menino tinham a guarda desde maio de 2015. O menino tem uma irmã, que ainda está no abrigo.  Na residência que fica na região central de Campo Grande, foram encontrados dois celulares, R$ 402, pulseiras de miçangas, patuá e um boneco, que segundo informações eram usados em prática de magia negra.

A justificativa para tanta barbárie seria o diabo, como disse a tia. Segundo a autora, eles ouviam vozes, que eram do diabo, e por isso, praticavam as torturas. O caso foi registrado na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) do Centro e deve ser repassado para a Depca (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente) para investigação.

Jornal Midiamax