Polícia

Mais de 2 meses após ser caçado por integrantes do PCC, ‘Tonzinho’ é preso

Ele seria autor de vários crimes no Brasil e Paraguai

Renata Portela Publicado em 10/03/2016, às 13h10

None
43a1158b5c054bcc88df0dbc81357f41.jpg

Ele seria autor de vários crimes no Brasil e Paraguai

Na tarde de quarta-feira (9), Eberton Pavon Vaes, de 24 anos, o 'Tonzinho', foi preso em Naviraí, cidade a 359 quilômetros de Campo Grande. Ele foi detido durante ação conjunta da Polícia Civil de Coronel Sapucaia e Naviraí e é apontado como autor de vários crimes no Brasil e Paraguai.

De acordo com o delegado titular da Delegacia de Polícia Civil de Coronel Sapucaia, Roberto Duarte Faria, Tonzinho foi preso após trabalho de investigação para chegar até o local onde o rapaz estaria escondido. Segundo o delegado, um comparsa do jovem, Luan Carlos, de 19 anos, que era procurado pela polícia de fronteira, também foi detido.

Também conforme o delegado, os dois são suspeitos de atuarem em ações criminosas na fronteira e chegaram a postar na rede social Facebook uma foto em que aparecem segurando um fuzil e uma escopeta. Conforme apurou o site A Gazeta News, será feito pedido de prisão preventiva de Luan.

Alta periculosidade

De acordo com a polícia, Tonzinho agia com extrema violência e é classificado como um criminoso de altíssima periculosidade. Ele era procurado pela polícia brasileira e também paraguaia e é apontado como autor de assaltos, homicídio, tentativa de homicídio e ameaças.

Há ainda informação de que o jovem já trocou tiros com a polícia várias vezes e ainda estaria na mira de outros criminosos que atuam na região. Após uma ocorrência em que o jovem teria trocado tiros com a polícia, dois tios e um irmão de Tonzinho foram assassinados e o caso ainda é investigado pela polícia, mas a suspeita é de que os homicídios tenham sido cometidos por um grupo criminoso.

Em uma publicação no Facebook, que a Polícia Civil teve acesso, Tonzinho fala sobre a 'caçada' que sofria por parte da polícia e de outros criminosos, e que em nome de Jesus ninguém o deteria, pois conhecia a “quebrada” como a palma da mão. Ele ainda agradece os que ele chama de “manos” que o estariam protegendo no “Chacoi”, nome de uma região do Paraguai.

Eberton Pavon Vaes e Luan Carlos foram encaminhados ao Presídio de Amambai.

'Caçada'

No dia 28 de dezembro, cinco homens fortemente armados aterrorizaram moradores enquanto caçavam outro criminoso em uma região conhecida como ‘buracão’, próximo ao país vizinho. A movimentação chamou a atenção de moradores, que acionaram a polícia. Chegando ao local os policiais se depararam com os homens encapuzados e armados com fuzis, pistolas e coletes à prova de balas, que se apresentaram como integrantes do PCC.

Eles disseram aos policias ‘que não se metessem’ na ação, pois eles estavam ali para ‘empurrar o Tonzinho’, gíria usada para assassinato. O procurado é um conhecido bandido na cidade, que até pouco tempo era visto em um dos bairros de Coronel Sapucaia cometendo crimes livremente. A suspeita de moradores é que ‘Tonzinho’ tenha ‘mexido’ com algum traficante mais poderoso da região.

Depois de ordenarem aos policiais militares, o bando entrou na mata à procura de Tonzinho e tiros foram disparados. Nas diligencias foram encontrados dois cartuchos de calibre 12, duas mochilas com material de higiene pessoal, um tijolo de maconha e dois aparelhos celulares, que receberam diversas ligações mesmo em poder dos policiais. Em um deles um homem não identificado perguntou: “Onde está você, Tom?”.

Ninguém foi preso durante as buscas e o caso foi registrado como ‘disparo de arma de fogo’.

Jornal Midiamax