Polícia

Após motim e 33 serem realocados na Máxima, preso ameaça: ‘cadeia vai cair’

'Aviso' mostra ousadia e organização de facções nos presídios de MS

Renata Portela Publicado em 15/12/2016, às 12h58

None
maxima1.jpg

'Aviso' mostra ousadia e organização de facções nos presídios de MS

Nesta quinta-feira (15), um interno do Presídio de Segurança Máxima, o Estabelecimento Penal Jair Ferreira de Carvalho, avisou funcionários que ‘a cadeia vai cair’. Os agentes penitenciários teriam sido alertados a ficarem atentos.

De acordo com informações obtidas pelo Jornal Midiamax, membros do PCC (Primeiro Comando da Capital) estariam ameaçando irem ‘buscar’ os 33 presos que foram realocados para o Pavilhão IV. Esses detentos fizeram um motim na noite de quarta-feira (14), pedindo a transferência por conta das ameaças de morte.

Os 33 detentos não fariam parte da facção e, por isso, estariam sendo ameaçados. A princípio, os agentes foram alertados sobre a movimentação, mas ainda não há informação de tentativas de fuga ou de saída das celas.

‘Cabeças a prêmio’

Entre os presos que participaram do motim, alguns seriam membros do PCC. Eles estariam tentando transferência para outro presídio, onde pretendiam matar dois presos que tiveram as ‘cabeças colocas a prêmio’.

A equipe de reportagem do Jornal Midiamax apurou que líderes da facção teriam dito que tentavam sair do PCC e, por isso, estavam sendo ameaçados de morte. Eles chegaram a participar do princípio de motim com os outros presos, na tentativa de serem transferidos.

Os membros da facção teriam a intenção de serem realocados no IPCG (Instituto Penal de Campo Grande), onde dois internos estão ‘marcados’ de morte. Segundo dados levantados pelo Midiamax, a morte de um dos presos valeria ao assassino R$ 55 mil e, do outro, R$ 25 mil.

Os internos que tiveram as ‘cabeças colocadas a prêmio’ sabem das ameaças. Como o esquema montado pelos membros da facção para execução dos presos foi descoberto, a transferência deles foi descartada a tempo.

Motim e ameaças

Na noite de quarta-feira (14), 33 presos iniciaram um motim no Presídio de Segurança Máxima. Eles alertaram os agentes penitenciários que, por não pertencerem ao PCC, estariam sofrendo graves ameaças de morte.

Durante a contenção dos presos, foram encontradas armas artesanais, que foram apreendidas. Os internos foram transferidos duas vezes, e agora estão no pavilhão que seria o mais isolado e distante dos outros detentos.

Jornal Midiamax