Polícia

Após índio ser baleado, aldeia faz ciclista refém para ter atenção da PF

Grupo ocupa área de fazenda há dez dias

Renata Portela Publicado em 18/03/2016, às 10h53

None
ocupacao_-_dourados_news.jpg

Grupo ocupa área de fazenda há dez dias

Na noite de quinta-feira (17), homem de 46 anos foi sequestrado e mantido em cárcere por grupo de aproximadamente 50 indígenas em Dourados, cidade a 225 quilômetros da Capital. A área rural do município é ocupada por índios há mais de 10 dias.

De acordo com o boletim de ocorrência, registrado na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário), Força Tática da Polícia Militar foi acionada para ir até a aldeia Jaguapiru, divisa com a fazenda Cristal, atender a ocorrência de sequestro. Conforme descrito no registro policial, delegado da Polícia Civil informou que tentava libertar o amigo, de 46 anos, que havia sido sequestrado pelos indígenas, mas foi cercado por um grupo de 60 índios e acabou deixando o local e acionando a PM.Após índio ser baleado, aldeia faz ciclista refém para ter atenção da PF

Segundo informações da polícia, a equipe da PM foi até o local indicado pelo delegado e encontrou um grupo de aproximadamente 50 indígenas, homens, mulheres e crianças, a maioria com foices, facas, facões e rojões em mãos. Eles estavam escondidos no matagal, nas margens de uma estrada vicinal entre a aldeia Jaguapiru e a fazenda Cristal, que é uma área ocupada.

Os militares conversaram com um indígena e ele declarou que, ao escurecer, estava com um índio de 38 anos e que em dado momento ouviu um disparo de arma de fogo, não sabendo informar de onde veio o tiro, mas que atingiu o amigo dele nas costas. Ele afirma que após o acontecimento, viu o homem de 46 anos nas mediações da aldeia, de bicicleta, e resolveu 'segurá-lo' por tempo indeterminado.

Foi feito contato com a Polícia Federal e a equipe da Força Tática iniciou negociações com os indígenas para tentar libertar a vítima. Consta no boletim de ocorrência que o gerenciamento da crise se estendeu por aproximadamente 45 minutos, quando os indígenas decidiram libertar o homem, que foi resgatado sem qualquer ferimento e deixou o local em segurança na companhia do delegado.

Os policiais relatam que não foi possível identificar os responsáveis pelo cárcere, por conta da falta de luz no local e também pelo número elevado de indígenas e do clima tenso. Há informação de que os índios ameaçavam invadir a sede da fazenda e 'fazer justiça com as próprias mãos' se as providências não fossem tomadas, pois aquele era o segundo indígena ferido nesta semana.

Na delegacia, o homem de 46 anos revelou aos policiais que não sabia que a área estava ocupada por indígenas e fazia trilha de bicicleta nas estradas, quando foi cercado. Ele afirma que os indígenas proibiram que ele continuasse o caminho e o obrigaram a sentar no chão e queriam que ele fizesse um vídeo sobre o que estava acontecendo no local, dizendo ainda que ele só seria libertado com a presença da Polícia Federal.

O caso foi registrado como sequestro e cárcere privado, ameaça e homicídio simples na forma tentada – tendo como vítimas o amigo do delegado e o indígena de 38 anos, que foi socorrido e levado ao hospital do município.

Jornal Midiamax