Polícia

Após ficar 16 anos foragido, acusado de matar ex-mulher a tiros vai a júri

Caso aconteceu em 1999

Renata Portela Publicado em 21/09/2016, às 12h29

None
preso3.jpeg

Caso aconteceu em 1999

Considerado foragido há 16 anos, Josuel Aparecido da Silva foi preso só neste ano e na manhã desta quarta-feira (21) foi a julgamento. O crime, cometido em 1999 no Coophatrabalho, foi matar a ex-mulher com quatro tiros depois de ela dizer que não queria reatar o relacionamento.

A vítima, Emília Brito, foi casada por 8 anos com Josuel e tinha com ele um filho, que na época do crime tinha 7 anos. Eles moravam em Tangará da Serra, mas depois de terminarem o relacionamento, a vítima veio morar em Campo Grande. Quase 4 meses após o fim do casamento, Josuel veio procurar a ex.

Eles conversaram amigavelmente e Josuel convidou Emília e o filho para irem comprar um refrigerante em uma mercearia perto da casa. No caminho, ele pediu para ela reatar o relacionamento e a vítima disse que não queria. Assim que voltaram para a casa, Josuel sacou a arma de fogo e atirou quatro vezes na ex-mulher, que morreu no local.

Josuel é julgado pelo crime de feminicídio, homicídio com agravante de violência contra a mulher, além de qualificado por motivo torpe e recurso que dificultou a defesa da vítima. Compõem o júri quatro mulheres e três homens. O julgamento é presidido pelo juiz Aluízio Pereira dos Santos, tem como promotor Gerson Eduardo Araújo e a defesa é feita por Rodrigo Stochiero.

Jornal Midiamax