Polícia

Agente de trânsito denuncia PM por suposta agressão após apreensão de motocicleta

Vítima teria recebido ameaça de ser presa

Renata Portela Publicado em 25/01/2016, às 14h04

None
capa1_copy.jpg

Vítima teria recebido ameaça de ser presa

Na manhã desta segunda-feira (25), por volta das 10 horas, confusão entre uma servidora da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito) e um suposto militar da Cavalaria da Polícia Militar de Campo Grande terminou na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Centro. O policial teria agredido a agente após ter a motocicleta apreendida.

Segundo informações de testemunhas, a agente, identificada como Andressa Oliveira, fazia organização de trânsito com uma colega de serviço no cruzamento da Rua Eça de Queiroz com a 14 de Julho, no Cabreúva. A princípio, a agente teria visto o motociclista falando ao celular, com o aparelho preso dentro do capacete e com o final da placa da moto, uma Tornado preta, ilegível, então fez abordagem.

O motociclista então teria se apresentado como cabo da Polícia Militar, da Cavalaria, mas não estava fardado e a motocicleta também estava descaracterizada. Ele estaria sem a documentação do veículo, então a agente apreendeu a moto, até que ele apresentasse os documentos. Neste momento, o policial teria se exaltado, puxando a agente de trânsito pelo braço, avançando sobre ela e pegando as chaves da motocicleta.

Conforme relato de testemunhas ao Jornal Midiamax, o policial ainda teria dito para a agente: “Quem é você?”, ofendendo o serviço feito pela vítima com palavras de baixo calão e ainda caçoando, dizendo que os agentes de trânsito “nem arma têm”. Um outro homem, que se identificou como major da PM, também chegou ao local e teria ameaçado prender a agente caso ela não liberasse o veículo.

Todos os envolvidos foram até a Depac Centro, onde o caso é registrado em boletim de ocorrência. Segundo a polícia, a agente demonstrou interesse em representar contra o policial por agressão e desacato. Policiais militares e responsável pela Agetran que foram até a delegacia disseram que não darão declarações à imprensa.

Jornal Midiamax