Polícia

Acusados por morte de criança vão responder por tortura e estupro de vulnerável

Crime chocou autoridades e a população em Dourados

Midiamax Publicado em 01/08/2016, às 12h23

None
mpe_ok_ok_ok.jpg

Crime chocou autoridades e a população em Dourados

Acusados de um crime que chocou Mato Grosso do Sul, Rosiane Peixoto e Vanilson Espindola Argueiro, ambos de 28 anos, deverão ser denunciados por tortura e estupro de vulnerável. Essa é a intenção do promotor de Justiça João Linhares Júnior, titular da 4ª Promotoria de Justiça de Dourados, município a 228 quilômetros de Campo Grande, que pediu a prisão preventiva do casal na sexta-feira (29).

Segundo a Polícia Civil, marido e mulher violentavam sexualmente e agrediram uma sobrinha de 3 anos de quem detinham a guarda legal há nove meses, porque a mãe da criança seria dependente química. Na semana passada, quando o caso foi descoberto, já era tarde. A menina deu entrada no Hospital da Vida com muitos ferimentos, inclusive na região genital, e morreu na sala de cirurgia.

Na sexta-feira, um dia depois da prisão dos acusados, o MPE (Ministério Público Estadual) pediu a prisão preventiva de ambos, durante audiência de custódia no Fórum de Dourados. Levados à delegacia do 1º DP (Distrito Policial), Vanilson e Rosiane precisaram ser isolados por causa das ameaças feitas por outros detentos. Ele foi transferido para a PED (Penitenciária Estadual de Dourados) e ela deverá ir nesta segunda-feira (1) para o presídio feminino de Jateí.

“Os acusados já foram ouvidos em juízo e o Ministério Público vai garantir o direito público, pois foi um ato de selvageria que ocasionou revolta e indignação na população local”, afirmou o promotor, conforme divulgado pelo MPE logo após a audiência de custódia.

A promotoria aguarda a conclusão do inquérito civil e o recebimento dos laudos periciais para denunciar os acusados criminalmente. Segundo o promotor, que informou nunca ter atuado num caso tão brutal, os tios vão responder por tortura e estupro de vulnerável, ambos crimes hediondos.

Segundo as investigações encampadas pela Delegacia de Atendimento à Mulher, as agressões contra a criança aconteciam pelo menos desde o início da semana passada, na casa em que moravam vítima e acusados, na Aldeia Bororó, na Reserva Indígena de Dourados.

Jornal Midiamax