Polícia

Vítima e suspeito de crime no Botafogo já foram presos por golpes em empresas

Homicídio aconteceu na tarde de domingo na Capital

Wendy Tonhati Publicado em 15/06/2015, às 11h57

None
109533_autores_-_2012.06.06_-_ismael_dauzaker_eduardo_andrade_e_luciano_lopes.jpg

Homicídio aconteceu na tarde de domingo na Capital

O homicídio no último domingo (14), no Jardim Botafogo, terminou com a parceria de dois golpistas, quase sogro e genro, que foram presos em 2012, em Campo Grande. Eduardo Afonso Sampaio de Andrade, de 39 anos, e Ismael da Silva Dauzaker, de 22 anos, foram presos por aplicarem golpes em comerciantes e empresários. Ismael é suspeito de executar Eduardo Afonso, que é padrasto da namorada dele.

A dupla foi presa há três anos, junto com Luciano da Cruz Lopes, de 37 anos. Na época, o trio foi surpreendido logo após entregar um cheque fraudado para a vítima, proprietária de uma empresa de Sidrolândia. Eles pagavam mercadorias com cheques fraudados e depois revendiam os produtos com preço abaixo do de mercado em estabelecimentos de Campo Grande.

Foi descoberto pela Deco (Delegacia Especializada em Crime Organizado), o local onde as cargas de madeiras, produto de estelionato, foram revendidas, e que a quadrilha também teria aplicado golpes em diversas empresas do Estado, tendo adquirido de forma ilícita quase 100 toneladas de calcário, 3.050 telhas, mandiocas descascadas e embalagens plásticas.

Com a quadrilha foram apreendidos vários cheques de terceiros, todos em branco, documentos de identidade, inúmeros cartões bancários, todos estes materiais utilizados para aplicar os golpes.

Eduardo Afonso era contador e tinha diversas ocorrências como autor de estelionato.

Homicídio

De acordo com a Polícia Civil, uma discussão em família teria resultado na execução de Eduardo Afonso. Os envolvidos participavam de um churrasco e por volta das 15 horas, uma brincadeira entre a esposa da vítima e a vítima teria iniciado a confusão. 

Segundo o delegado Camilo Kettenhuber, da Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) da Vila Piratininga, marido e mulher estavam brincando de “soquinho” e um empurrão de “brincadeira” teria iniciado a briga. Irritado com a reclamação do namorado da enteada, Eduardo teria dado um tapa no rosto do rapaz.

A namorada de Ismael e a esposa de Eduardo, mãe e filha, tentaram deter os dois. Mas o rapaz conseguiu se soltar e foi até a sala buscar a arma. Os dois acabaram se encontrando na sala da casa, momento no qual Ismael efetuou os disparos. Em seguida o rapaz fugiu a pé. 

Jornal Midiamax