Polícia

Trio vem para MS ‘pescar’ em caixa eletrônico para comprar drogas

Polícia também prendeu traficante que abastecia Capital e ‘exportava’ para outros Estados

Wendy Tonhati Publicado em 14/04/2015, às 19h51

None
img-20150414-wa0170.jpg

Polícia também prendeu traficante que abastecia Capital e ‘exportava’ para outros Estados

Um trio especializado em ‘pescar’ envelopes bancários foi preso por policiais da Denar (Delegacia Especializada em Repressão ao Narcotráfico) na última segunda-feira (13), em um hotel, em Campo Grande. De acordo com o delegado João Paulo Natali Sartori, os suspeitos são de Mato Grosso e São Paulo. Eles vieram à Capital para cometer furtos em caixas eletrônicos e adquirir drogas de um traficante local, que também foi preso.

As prisões ocorreram após um mês de investigações da delegacia. Os policiais da Denar receberam a denúncia de que dois homens de São Paulo vieram à cidade para furtar caixas eletrônicos e tráfico de drogas. Foi descoberto que a ‘base’ do grupo era em um hotel, na Vila Carvalho.

No local, quatro integrantes da quadrilha foram presos: Manuel Aparecido Costa Magalhães, de 36 anos, que é de Várzea Grande, em Mato Grosso; André Atílio de Castro Ribeiro, de 33 anos e Diogo Vasconcelos Cândido, ambos de São Bernardo do Campo (SP). Os três teriam vindo a Campo Grande com objetivo cometer furtos para adquirir drogas que seriam levadas para São Paulo. Também foi preso Patrick Januário de Souza, de 28 anos. Ele era o intermediador entre os ladrões de banco e o traficante.

O suspeito de tráfico é Fernando Ferrari Neto, de 32 anos. Ele é considerado pela polícia como um grande fornecedor de drogas. Na casa dele, no Indubrasil, foram apreendidos 317 quilos de maconha. Segundo o delegado, além de abastecer pontos de vendas de drogas na Capital, ele também fornecia entorpecentes a traficantes de outros Estados brasileiros.

Conforme a polícia os integrantes da associação criminosa tem passagens por crimes como roubo, tráfico, estelionato, furto, receptação, violência doméstica e porte de arma.

Com André e o Diogo foram encontradas ferramentas para fazer a ‘pescaria’ dos envelopes dos caixas eletrônicos. Eles também tinham uma porção de maconha, entregue pelo suposto traficante, para averiguação da qualidade da droga. Eles pretendiam levar duas malas de maconha para São Paulo e já haviam dado metade do dinheiro combinado. Ainda com a dupla foram apreendidos um Honda Civic e um Corsa. Em depoimento, os dois confessaram que fariam furtos aos bancos Bradesco e HSBC e disseram que já praticavam esse tipo de furto em vários locais.

O caso deve continuar a ser investigado pela Garras (Delegacia Especializada em  Repressão a Roubo a Banco, Assaltos e Sequestros). 

Jornal Midiamax