Polícia

Quadrilha especialista em roubo de carga que atuava em 8 estados é desarticulada

PF fez buscas em Mato Grosso do Sul

Renata Portela Publicado em 27/11/2015, às 13h35

None
coletiva-ficco-diogo-machado-600x350.jpg

PF fez buscas em Mato Grosso do Sul

A Delegacia Regional da PF (Polícia Federal) de Uberlândia, em Minas Gerais, cumpriu pelo menos 40 mandados de prisão durante a Operação Catira, na quinta-feira (26). A ação foi realizada em 8 estados e no Distrito Federal para combater quadrilha especializada em roubo de carga, receptação e fraude.

A Polícia Federal contou com apoio de equipes da Polícia Militar, Superintendência da PF em Belo Horizonte, PRF (Polícia Rodoviária Federal), Polícia Civil e Receita Fazendária Estadual. De acordo com o site Correio de Uberlândia, pelo menos 40, dos 51 mandados de prisão temporária, já foram cumpridos.

Na Bahia, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Pará, São Paulo, Minas Gerais e Distrito Federal, foram cumpridos 50 mandados de busca e apreensão. Documentos, notas fiscais e outros materiais também foram apreendidos durante a quinta-feira.

Modus Operandi

De acordo com a PF, a quadrilha agia no Triângulo Mineiro, principalmente em Uberaba, e trabalhava sob encomenda. Um agente específico recebia os pedidos de carga e os membros da organização planejavam o roubo, as notas frias e a entrega dos produtos. Um contador está entre os presos na manhã de quinta-feira, suspeito de emitir 200 notas frias em 2015 para empresas inexistentes, que podem estar ligadas aos roubos.

A PF já pode relacionar os membros do grupo a 30 roubos ocorridos na região do Triângulo Mineiro. Trabalho pericial nas notas fiscais apreendidas deve comprovar a realização de outros crimes. Os policiais apontaram que a ação da quadrilha, da qual três são suspeitos de serem integrantes do PCC (Primeiro Comando da Capital), de São Paulo, era truculenta e deixava as vítimas por até seis dias em cárcere privado.

Entre as cargas roubadas, estão combustíveis, medicamentos, defensivos agrícolas e carnes. Cada carga era avaliada em mais de R$ 1 milhão em segundo a PF, em apenas uma semana de setembro o grupo realizou quatro roubos na região de Minas Gerais.

Mandados de busca

Entre os locais em que são cumpridos os mandados, estão duas garagens de caminhões em Uberlândia. Em todas as ocorrências, peças e veículos roubados foram apreendidos. Outro local onde a polícia esteve presente foi um açougue, que teria recebido parte de uma carga roubada.

Um mandado também foi cumprido em um posto de combustível de Uberlândia. De acordo com investigações, o dono teria conexões com políticos e autoridades da cidade e encomendava a carga do grupo criminoso, pagando valores inferiores ao de mercado e repassando para os clientes os valores tabelados pela ANP (Agência Nacional de Petróleo). O posto passou por fiscalizações e foi fechado após várias irregularidades serem constatadas.

Prisões

Entre os presos pela PF, estão a mulher e a nora de um comerciante, suspeito de diversos crimes na região de Uberlândia, como receptação e formação de quadrilha. Outro suspeito de estar envolvido é o filho do comerciante, que segue foragido e é procurado pela FICCO-MG (Força Integrada de Combate ao Crime Organizado).

Um veículo do filho do comerciante, avaliado em R$ 1 milhão, foi apreendido pelos policiais. As mulheres foram encaminhadas para a sede da PF em Uberlândia. Dentre as 40 prisões, seis foram feitas em São Paulo, uma no Pará, uma em Tocantins e duas no Mato Grosso.

Jornal Midiamax