Polícia

Por melhorias, agentes penitenciários realizam passeata pelo centro de Campo Grande

A ação será realizada após uma assembleia que ocorre na sede do sindicato na tarde de hoje

Midiamax Publicado em 26/02/2015, às 15h09

None

A ação será realizada após uma assembleia que ocorre na sede do sindicato na tarde de hoje

Pelo menos 400 agentes penitenciários do Estado participam desta quinta-feira (26) de uma manifestação por melhorias da categoria. A ação começa com uma assembleia geral que está marcada para às 14h30, na sede do Sinsap-MS (Sindicato dos Servidores da Administração Penitenciária de Mato Grosso do Sul). Depois haverá uma passeata deles pelas ruas de Campo Grande, que terminará na Praça Ary Coelho, área central. Por lá, a situação dos servidores será repassada para a população.

“O objetivo da assembléia é transmitir a todos os servidores o andamento das negociações com o governo e mostrar qual a postura do Sindicato em relação às sequentes ações que vem atingindo a classe. A classe precisa se mostrar forte, unida, exercendo seus deveres de cidadania. Não se consegue nada sozinho e precisamos neste momento de crise nos expressar e planejar estratégias para que nossos anseios sejam ouvidos”, explica o presidente do Sinsap, André Luiz Santiago.

Durante a ação, haverá um momento solene em memória ao agente Carlos Augusto Queiroz de Mendonça, de 44 anos, que foi morto durante o plantão do Estabelecimento Penal de Regime Aberto e Casa do Albergado, no dia 11 de fevereiro. Além disso, os agentes serão lembrados dos princípios de rebelião que ocorrem em Três Lagoas, Jardim, Dourados, Campo Grande, além da agressão sofrida pelas as agentes penitenciárias dentro do presídio fechado feminino Irma Irmã Zorzi.

Na assembléia será apresentado o andamento das negociações com o Governo do Estado e possível intervenção devido às condições desumanas de trabalho.  “Este é um momento impar, iremos discutir quais medidas que a categoria adorará em resposta ao caos que estamos vivendo no sistema penitenciário. Será discutida a possibilidade de adotar a operação padrão, onde trabalha de acordo com a legalidade, fazendo apenas o que está dentro das nossas condições ou uma medida extrema de uma intervenção nos presídios de todo o Estado”, destacou Santiago.

Já na praça, o presidente do Sinsap-MS revela que, “o nosso objetivo é mostrar pra sociedade a realidade caótica e desumana do sistema penitenciário e exigir das autoridades responsáveis uma medida. Não podemos esperar perder mais uma vida para que algo seja feito”.

Jornal Midiamax