Polícia

Paciente dominado por guardas municipais ameaçou equipe em UPA

Vídeo mostraria os guardas contendo paciente

Midiamax Publicado em 15/04/2015, às 13h50

None
print_guardas.jpg

Vídeo mostraria os guardas contendo paciente

Servidores da UPA Universitária (Unidade de Pronto Atendimento Comunitário) contestam a informação de que os guardas municipais teriam agredido na noite da última terça-feira (14) um paciente que esperava por atendimento médico. Segundo eles, antes que isso ocorresse este paciente estava descontrolado, deu socos na porta e ameaçou agredir toda a equipe plantonista da unidade.

De acordo com os servidores da UPA, no vídeo, que foi divulgado nesta quarta-feira (15), somente aparecem os dois guardas segurando e discutindo duramente com o paciente. Eles contam que os momentos de fúria do indivíduo não foram filmados na gravação veiculada pelas redes sociais.

Uma servidora municipal postou uma texto no Facebook desabafando sobre os ‘ossos do ofício’ de sua profissão. Ela ressalta que, se não fosse o trabalho dos guardas, haveria muitos servidores da saúde com hematomas por conta da violência física de muitos usuários.

Essa mesma servidora, porém, destaca que os usuários têm, na maioria das vezes, motivos para ficarem indignados por causa da demora, mas algumas atitudes por parte deste nervosismo não justificam agressões.

Por fim, os servidores que presenciaram a confusão na UPA Universitária afirmam que só houve agressão porque os guardas tiveram de conter paciente.

Entenda o caso

A confusão que começou entre um paciente e dois guardas civis municipais terminou em pancadaria. O fato aconteceu na noite desta terça-feira (14), por volta das 21h45, na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) Universitária, no Bairro Universitário, em Campo Grande. Outros pacientes que estavam no local também se envolveram na briga.

De acordo com o boletim de ocorrência, o paciente de 49 anos, chegou ao local e começou a chutar a porta da triagem, dizendo que estava com dor de dente e tinha de ser atendido. Diante da situação, um dos guardas civis municipais teria informado que os atendentes não estavam no local e pedido para que o homem esperasse na recepção.

Segundo os relatos, ao se virar, o paciente teria voltado a chutar a porta da triagem. O servidor diz que tentou conversar com o suspeito e acabou agredido. Os dois começaram a brigar e o paciente teria dado uma cabeçada no servidor.

Ainda de acordo o depoimento, o guarda civil municipal solicitou ajuda de outro servidor e os dois tentaram conter a vítima, mas foram impedidos por outros pacientes que aguardavam na recepção. Eles alegam que depois disso foram agredidos com chutes, socos e cabeçadas.

Os guardas contam que solicitaram apoio e os demais pacientes deixaram o local. Um vídeo gravado por pessoas que estavam na UPA, mostra que os dois guardas municipais seguravam o homem que estava passando mal e os demais pacientes se envolveram na confusão para impedir a abordagem.

Conforme as informações do boletim de ocorrência, o paciente teria “simulado um ataque cardíaco”, foi atendido e logo depois de realizar exames foi encaminhado para a Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) do Piratininga, como perturbação do trabalho do sossego alheio.

A assessoria da Guarda Civil Municipal informa que a princípio “a ação dos servidores parece correta porque o cidadão queria invadir a UPA para acelerar o atendimento, enquanto tinha outros pacientes para serem atendidos, mas a Guarda vai investigar os fatos para que as providências cabíveis sejam adotadas”. Não há um prazo estimado para que o caso seja solucionado.


Clique aqui para assistir ao vídeo

Jornal Midiamax