Polícia

Operação Ícaro: dono de oficina nega comercialização de peças furtadas

Operação cumpre seis mandados de apreensão

Thatiana Melo Publicado em 29/10/2015, às 12h02

None
img-20151029-wa0025.jpg

Operação cumpre seis mandados de apreensão

O dono de uma oficina aeronáutica fiscalizada na manhã desta quinta-feira (29), por policiais da Deco (Delegacia Especializada de Combate ao Crime Organizado), nega que em seu estabelecimento comercialize peças de aeronaves furtadas.

Marcelo Nascimento, de 39 anos, sócio da oficina localizada na Rua Spipe Calarge, afirma que a oficina esta fechada há um ano por que ainda não houve liberação da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) para o funcionamento. Anali de Souza, de 33 anos, esposa de Marcelo diz que acordou com os policiais na porta de sua residência.

“Fui acordada às 6 horas da manhã com os policiais na porta da minha casa, de lá levaram documentos pessoais e da empresa”, fala Anali que ainda ressalta que o marido que é mecânico de aeronaves há 25 anos só faz manutenção nas aeronaves e não comercializa peças.

Segundo Anali a denúncia pode ter vindo de pessoas que trabalham no aeroporto Santa Maria. “Meu marido e um amigo resolveram sair do aeroporto e abrir a empresa e esta denúncia falsa deve ter vindo de lá. Mas, vamos provar que não existe ilícito nenhum”, finaliza.

Operação

A equipe da Deco (Delegacia Especializada de Combate ao Crime Organizado), comandada pela delegada Ana Cláudia Medina, cumpre na manhã desta quinta-feira (29) seis mandados de busca e apreensão, na busca de peças de aeronaves subtraídas de oficina aeronáutica em Campo Grande.

Participam desta operação 20 policiais e 2 fiscais da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil). A operação já apreendeu uma aeronave modelo Cesnna 180 que tinha em sua estrutura peças furtadas.

Jornal Midiamax