Operação contra organização criminosa flagra três pessoas e apreende drogas e dinheiro

A operação denominada “Livro Negro” foi realizada em seis municípios 
| 04/07/2015
- 00:11
Operação contra organização criminosa flagra três pessoas e apreende drogas e dinheiro

A operação denominada “Livro Negro” foi realizada em seis municípios 

Duas pessoas foram presas e um adolescente apreendido durante a operação “Livro Negro”, realizada na manhã desta sexta-feira (3) em Campo Grande e outros cinco municípios de Mato Grosso do Sul. A ação visa desarticular organização criminosa atuante no sistema penitenciário estadual.

De acordo com o Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul, na Capital uma mulher foi presa em uma boca de fumo com 147 papelotes de cocaína e R$ 2.500 mil. Em Rio Verde foi apreendida uma pequena quantidade de droga, sem nenhum flagrante.

Já em Três lagoas, a ação acabou com a prisão de um homem, de 37 anos e a apreensão de um adolescente de 17 anos. Segundo o site Rádio Caçula, o suspeito foi identificado como Luciano e o jovem como irmão de um presidiário conhecido como “Pirigueti”.

Com os suspeitos foram encontrados dinheiro, drogas, balança de precisão e um simulacro de arma de fogo. Nos presídios de Campo Grande, Aquidauana e Dourados também houve apreensão de drogas, além de celulares e anotações que estavam com os detentos.

Operação

(Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), Polícia Militar e a Agepen (Administração do Sistema Penitenciário), por meio da Gisp (Gerência de Inteligência), atuam em , Dourados, Três Lagoas, Aquidauana, Brasilândia e Rio Verde de Mato Grosso.

A ação prometia cumprir 7 mandados de busca e apreensão em residências, além de 9 vistorias em celas de presídios estaduais, ocupadas por integrantes da facção criminosa.

A operação é resultado de 5 meses de investigação e teve por objeto a apuração do crime de participação em organização criminosa, além de tráfico de drogas e associação, roubos e furtos, praticados por internos e egressos do sistema penitenciário.

Participam três promotores de Justiça, 90 policiais militares do BPChoque (Batalhão da Polícia de Choque), do Bope (Batalhão de Operações Especiais), do Gaeco e de Unidades Policiais do interior do Estado, além de 7 servidores da Gisp/Agepen e os agentes penitenciários de plantão nas unidades prisionais do sistema Agepen.

A operação foi denominada “Livro Negro” em alusão aos integrantes que, por estarem em débito, foram punidos ou excluídos da organização criminosa.

Veja também

Adolescente de 15 anos foi flagrado com dois cigarros de maconha em uma escola pública...

Últimas notícias