Polícia

Momento de ‘tensão’ entre PM e GCM é flagrado por vídeo amador

Imagens mostram ‘empurra-empurra’ e ‘gás lacrimogênio’

Midiamax Publicado em 08/04/2015, às 15h24

None
img-20150406-wa0061.jpg

Imagens mostram ‘empurra-empurra’ e ‘gás lacrimogênio’

Um vídeo feito por um cinegrafista amador, que a equipe do Jornal Midiamax teve acesso, mostra a ‘tensão’ que houve entre as guarnições da PM (Polícia Militar) e da GCM (Guarda Civil Municipal) dentro da Base Centro dos servidores municipais, localizada na antiga rodoviária, no Bairro Amambai, na região central de Campo Grande, na sexta-feira (3).

Após receberem uma denuncia de que um rapaz foi agredido por homens que estavam de uniformes azuis, militares foram até a Base da GCM e deram voz de prisão aos servidores plantonistas. O chefe da equipe que estava no local, pede calma aos policiais e informa que o comandante da guarnição já foi avisado e que estava a caminho.

Militares questionam sobre a demora do responsável da Guarda para chegar à Base e chegam a reafirmar que os plantonistas estão presos e devem acompanhá-los na viatura da PM até a delegacia. Um dos guardas volta a dizer que o comandante está a caminho e outro servidor questiona, “a então a gente pode entrar no batalhão de vocês e levar um militar na viatura?”.

O questionamento acaba causando outra confusão. O vídeo tem um pouco mais de 20 minutos. E durante a espera pelo comandante da GCM, duas equipes do BPChoque (Batalhão da Polícia de Choque), em viaturas distintas, chegam no local e pedem que os guardas colaborem entrando na viatura.

Com a abordagem, o servidor responsável da Base entra no meio da confusão e pede calma novamente, e lembra que o comandante da Guarda já foi chamado, pois ele tem que acompanhar este tipo de situação. Um dos servidores que estava de plantão, se afasta e vai falar ao celular, ocasião em que é seguido por um militar que novamente pede para que ele entre na viatura. Outro momento tenso vivido pelas duas guarnições.

Mais adiante no vídeo, o chefe daquele núcleo da GCM, Gonzaga, chega ao local e com um gesto pede para a viatura da Guarda esperar, ocasião em que é interceptado por um policial militar. Neste momento há um estranhamento entre eles, alguém pede para o cinegrafista parar de filmar, é possível ouvi-lo dizer ‘se tudo isso é legal, porque não pode filmar?’.

Militares e guardas se amontoam entre Gonzaga e um policial, e de repente é possível ver um ‘empurra-empurra’ de servidores, que é apaziguado pelo responsável da Base Centro. A situação se aflora, logo em seguida, o cinegrafista foge do local.

Ele chega a filmar a situação em que ficou o rosto dele e relata, ‘onde já se viu espirrar spray de pimenta na cara dos outros?’. A câmera é passada para outra pessoa que segue com as filmagens. Também é possível ver cinegrafistas de órgãos de imprensa e aparelhos de celulares dos servidores registrando o interveio.

Em outro momento, as duas forças tentam um diálogo sem sucesso, momento em que aparece um policial federal, que ocupa o cargo de comandante da Guarda Civil. Com isso, eles se amontoam e há troca de acusações sobre falta de respeito entre as instituições.

Com a chegada do comandante, não há mais confusão. Nas imagens, ele informa aos militares que prisões devem ser feitas juntamente com o responsável de cada órgão competente. Há como perceber, que o policial questiona que a Guarda estava dificultando a situação, quando é interrompido por um servidor municipal que alega que eles estavam agindo pela força.

Coletiva

Na manhã de hoje, o secretário da GCM, Valério Azambuja, informou que a situação foi levada para a corregedoria do órgão e que o assunto junto a PM será tratada entre comandos. Ele reforçou que ‘há militares equivocados sobre a atuação dos guardas e que eles tem treinamento para fazer o trabalho preventivo. E que qualquer tipo de abordagem deve ser acompanhada pelo comandante, assim como em qualquer órgão de segurança e como tratado no protocolo entre as duas instituições que tem parceria”.

Jornal Midiamax