Polícia

Integrante do PCC é preso e apontado pelo assassinato de agente penitenciário

O homem foi detido na tarde de quinta-feira (12) pela PM (Polícia Militar)

Midiamax Publicado em 13/02/2015, às 15h50

None
img-20150211-wa0019.jpg

O homem foi detido na tarde de quinta-feira (12) pela PM (Polícia Militar)

Na manhã desta sexta-feira (13), em uma reunião com os agentes penitenciários de Mato Grosso do Sul, o governador do Estado, Reinaldo Azambuja (PSDB), informou que o suspeito de ter assassinado do agente penitenciário na quarta-feira (11), foi detido na tarde da quinta-feira (12), pela PM (Polícia Militar).

“Primeiramente, antes de começar a reunião, quero dizer que quem matou o nosso agente já foi preso pela PM”, disse o governador fez questão de informar que, “ele tem ligação com o PCC (Primeiro Comando da Capital) – facção que age dentro dos presídios do Brasil”.

Sem dar mais detalhes sobre a prisão e as causas que teriam motivado o assassinato, o governado focou o discurso nas reivindicações da categoria, que trouxe à tona a defasagem e exposição perante o trabalho exercido nos presídio de Mato Grosso do Sul.

Assassinato

O fato ocorreu por volta das 6 horas de quarta-feira, quando apenas dois agentes estavam de plantão no Presídio Aberto e Casa de Albergado, que fica na Vila Sobrinho, região oeste de Campo Grande. No local, havia 404 reeducandos que seriam liberados, quando um motociclista entrou no local e efetuou os disparos contra um dos servidores identificado como Carlos Augusto Queiroz de Mendonça, de 45 anos, tinha dez anos como agente penitenciário.

Equipes da PM começaram a fazer rondas pelo local, enquanto os policiais da Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) do Centro, presidido pelo delegado Bruno Henrique Urban, acompanhava o trabalho dos peritos criminais. As imagens do circuito de segurança do local foram apreendidas para análise e o caso encaminhado para a DEH (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Homicídios), aos cuidados do titular, Weber Luciano de Medeiros.

“Pelas imagens não é possível saber se ele estava sozinho ou acompanhado. A imagem externa registra apenas um homem, de camisa longa, com altura aproximada de 1,7 metros, encapuzado e de capacete entrando no local. E após segundos, ele saiu correndo”, revela o delegado Bruno Henrique e informa que, “acredito que ele estava de motocicleta, pois é um veículo de fuga rápida, além disso, pode ser que ele estava acompanhado”.

Os peritos informaram que houve ao menos quatro disparos no local, três deles atingiram a vítima e um quarto acertou a CPU, que estava ao lado do servidor público, quando caiu no chão. O corpo do agente foi encaminhado ao Imol (Instituto de Medicina e de Odontologia Legal). No dia de ontem ocorreu o sepultamento do servidor.

Jornal Midiamax