Polícia

Filhotes de papagaio e 2 capivaras são recapturados pela Polícia Ambiental

Os animais foram levados para o Cras

Renata Portela Publicado em 06/10/2015, às 14h36

None
capivara.jpg

Os animais foram levados para o Cras

Na segunda-feira (5), um ninho com 7 filhotes de papagaio caiu de um coqueiro na Vila Marli, região noroeste da Capital. Um tucano atacou e derrubou o ninho, que foi recolhido por uma moradora da região. Além dos filhotes, outras aves e 2 capivaras foram recapturadas na segunda-feira e todos encaminhados para o Cras (Centro de Reabilitação de Animais Silvestres).

Durante a manhã, a moradora viu o momento em que o tucano atacou o ninho, com 7 filhotes de papagaio, que caiu de um coqueiro. Ela conseguiu afastar o tucano, recolheu as aves e acionou a PMA (Polícia Militar Ambiental), que encaminhou os animais para o Cras.

Ainda durante a manhã, uma capivara foi recapturada na região do Vilas Boas, na Avenida Zahran, e outra capivara foi recapturada à noite, no Bairro Tiradentes. Outros animais, como um filhote de coruja, dois papagaios, um periquito, uma arara e um jabuti também foram recolhidos pela PMA em Campo Grande.

De acordo com a polícia, os animais silvestres aparecerem nos centros urbanos, não configura crime ou infração administrativa, porém é feita a captura. A PMA explica que disponibiliza diariamente uma viatura e uma equipe preparada para realizar esse trabalho de prevenção.

Dessa forma, se mais equipes fossem disponibilizadas, o trabalho de prevenção nas áreas rurais ficaram prejudicados. Nas regiões mais afastadas da cidade, são feitas ações de prevenção a desmatamentos ilegais, tráfico de animais, caça, pesca predatória, entre outros crimes, além da repressão, a partir da prisão de criminosos e apreensão de materiais ilegais.

Em nota, a PMA esclarece que continuará realizando a captura de animais, porém, não sacrificará a prevenção e segue disponibilizando diariamente uma equipe e uma viatura para esse trabalho, como é feito há 28 anos. A polícia também orienta a população para continuar acionando a equipe e pede paciência e compreensão, caso haja demora, pois a equipe elege as prioridades, em conformidade com cada caso.

A Polícia Ambiental orienta ainda que as pessoas não se aproximem ou deixem crianças se aproximarem especialmente dos animais que ofereçam riscos, como os grandes mamíferos e animais peçonhentos.

Jornal Midiamax