Polícia

Comerciante é morto por tiro acidental disparado pelo próprio filho

Revólver 38 usado para segurança da família disparou e tiro atingiu o homem, de 61 anos

Midiamax Publicado em 12/10/2015, às 10h55

None
delegado_salomao_destaque_1.jpg

Revólver 38 usado para segurança da família disparou e tiro atingiu o homem, de 61 anos

O comerciante Nassim Yehia, 61 morreu no início da madrugada desta segunda-feira (12) na Vila Anahy, região do Taveirópolis, em Campo Grande, após ser atingido por um tiro de revólver disparado acidentalmente, segundo a polícia, pelo próprio filho dele. Jihad Nassim Yehia, 22 anos, que responderá por homicídio culposo. Jihad foi detido na casa do avô e liberado pela polícia depois de pagar fiança.

Segundo as informações da Polícia Civil, pai e filho tinham o hábito de usarem um revólver calibre 38 para segurança dentro da casa da família, que estava em obras, com problema em uma das portas. Durante o dia, a arma permanecia em um cofre e, à noite, era mantida junto de um deles.

Ainda de acordo com os dados fornecidos pela polícia, era por volta de 0h30 e Jihad levava a arma do quarto para a sala quando, no corredor, cruzou com o pai e ocorreu o disparo. No boletim de ocorrência consta que o tiro do 38 atingiu o ombro esquerdo de Nassim.

O delegado Reginaldo Salomão, do plantão da Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Piratininga, conta que Nassim foi socorrido ainda com vida pelo Samu e levado à Santa Casa, mas não resistiu. Consta que ele já sofria com outros problemas de saúde, como diabetes, e teve o quadro agravado rapidamente após sofrer o ferimento.

Salomão disse ter ouvido a mãe e o irmão de Jihad. Todos, conforme o delegado, deram versões confirmando que o tiro foi acidental.

Familiares também disseram à polícia que o jovem mantinha bom relacionamento com o pai. Jihad foi liberado após pagar fiança de um salário mínimo e responderá em liberdade por homicídio culposo, ou seja, sem intenção de matar.

Jornal Midiamax