Polícia

Cinco pessoas são presas pelo envolvimento na morte do agente penitenciário

Segundo a polícia as investigações continuam para apurar a participação de outros envolvidos

Midiamax Publicado em 13/02/2015, às 18h00

None
capa_1.jpg

Segundo a polícia as investigações continuam para apurar a participação de outros envolvidos

A Polícia Civil divulgou na tarde desta sexta-feira (13) que cinco pessoas foram presas pelo envolvimento no assassinato do agente penitenciário Carlos Augusto Queiroz de Mendonça, de 44 anos, na manhã da última quarta-feira (11). A execução aconteceu na frente do Presídio Aberto e Casa do Albergado, que fica na Vila Sobrinho, região oeste da Capital.

Em nota, a assessoria da polícia afirma que as investigações continuam para apurar a participação de outros envolvidos no crime e por isso o nome dos suspeitos foi preservado.

Na manhã desta sexta-feira o governador do Estado, Reinaldo Azambuja (PSDB), informou que o suspeito pelo assassinato seria integrante do PCC (Primeiro Comando da Capital) – facção criminosa que age dentro dos presídios do Brasil.

Ainda conforme a Polícia Civil os criminosos serão apresentados durante coletiva à imprensa pela DEH (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Homicídios) ao fim das investigações.

Assassinato

O fato ocorreu por volta das 6 horas de quarta-feira, quando apenas dois agentes estavam de plantão no Presídio Aberto e Casa de Albergado, que fica na Vila Sobrinho, região oeste de Campo Grande. No local, havia 404 reeducandos que seriam liberados, quando um motociclista entrou no local e efetuou os disparos contra um dos servidores identificado como Carlos Augusto Queiroz de Mendonça, de 45 anos, que há dez anos trabalhava como agente penitenciário.

Equipes da PM começaram a fazer rondas pelo local, enquanto os policiais da Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Centro, presidida pelo delegado Bruno Henrique Urban, acompanhava o trabalho dos peritos criminais. As imagens do circuito de segurança do local foram apreendidas para análise e o caso encaminhado para a DEH (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Homicídios), aos cuidados do titular, Weber Luciano de Medeiros.

“Pelas imagens não é possível saber se ele estava sozinho ou acompanhado. A imagem externa registra apenas um homem, de camisa longa, com altura aproximada de 1,7 metro, encapuzado e de capacete entrando no local. E após segundos, ele saiu correndo”, revela o delegado Bruno Henrique e informa que, “acredito que ele estava de motocicleta, pois é um veículo de fuga rápida, além disso, pode ser que ele estava acompanhado”.

Os peritos informaram que houve ao menos quatro disparos no local, três deles atingiram a vítima e um quarto acertou a CPU, que estava ao lado do servidor público, quando caiu no chão. O corpo do agente foi encaminhado ao Imol (Instituto de Medicina e de Odontologia Legal). Nesta quinta-feira (12) ocorreu o sepultamento do servidor.

Jornal Midiamax