Polícia

Após ser esfaqueada e ficar em cárcere, mulher é levada de SP e pede ajuda em MS

A vítima conta que ficou em cárcere privado juntamente com a filha de quatro anos

Midiamax Publicado em 24/02/2015, às 15h31

None
delegacia_da_mulher.jpg

A vítima conta que ficou em cárcere privado juntamente com a filha de quatro anos

Uma mulher de 35 anos procurou a Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher) de Campo Grande na manhã desta terça-feira (24) para denunciar um caso extremo de violência doméstica. A vítima, que teve o nome preservado, contou que foi agredida, esfaqueada, ameaçada de morte, xingada, mantida em cárcere privado e que chegou a intervir para que o marido não ferisse a filha de quatro anos do casal.

Ela é morada da cidade de Idaiatuba, no estado de São Paulo, e reside com o marido de 26 anos por aproximadamente sete anos. A vítima relatou que sempre foi agredida pelo companheiro que alegava crises de ciúmes.

A situação se agravou no dia 19 deste mês, quando o sogro dela passou o dia na residência do casal. A mulher relata que, assim que ele foi embora, o marido começou a amolar uma faca e a ofendê-la, dizendo que ela estava se insinuando para o pai dele e que aprenderia “quem canta de galo (…) você vai aprender a respeitar homem de verdade”.

Após as ameaças, ele quebrou o aparelho de celular da vítima e a agrediu com socos. No dia seguinte, chegou a fazer novas ameaças e trancou toda a casa, deixando mãe e filhas presas, inclusive a criança faltou na escola.

Já no dia 21, o sogro da vítima voltou a visitar a família, assim que foi embora, uma nova briga começou. A mulher foi novamente agredida com socos e chutes. Ela tentou ligar para a polícia, ocasião que, o suspeito cortou o fio do aparelho fixo com uma faca e posteriormente correu atrás da criança.

A vítima tentou defender a filha, ocasião em que foi esfaqueada no rosto, braço e peito. Mesmo ferida, ela correu pela rua pedindo socorro. Já o suspeito fugiu de motocicleta com a faca.

Vizinhos ligaram para o Corpo de Bombeiros. Os socorristas mais próximos foram do Estado vizinho, Mato Grosso do Sul, com isso, eles fizeram os primeiros atendimentos e a encaminharam para a Santa Casa de Campo Grande. No dia de hoje, ela recebeu alta médica e procurou a delegacia. A vítima e a filha estão sob medida protetiva. 

Jornal Midiamax