Polícia

Traficante suspeito de agredir jogador do Vasco é preso no RJ

A Secretaria de Segurança Pública do Rio de Janeiro anunciou nesta quarta-feira a prisão de Marcelo Santos das Dores, o Menor P, chefe do tráfico no complexo da Mar. Em nota, o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, afirmou que vai conversar com o superintendente da Polícia Federal do Rio de Janeiro, Roberto Cordeiro, para […]

Arquivo Publicado em 27/03/2014, às 00h55

None
1435526184.jpg

A Secretaria de Segurança Pública do Rio de Janeiro anunciou nesta quarta-feira a prisão de Marcelo Santos das Dores, o Menor P, chefe do tráfico no complexo da Mar. Em nota, o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, afirmou que vai conversar com o superintendente da Polícia Federal do Rio de Janeiro, Roberto Cordeiro, para que o criminoso seja enviado a um presídio federal. As circunstâncias da prisão não foram divulgadas, nem se há relação com a ocupação do Complexo da Maré.

O meio-campista Bernardo, do Vasco da Gama, foi agredido por traficantes de drogas no complexo da Maré, na zona norte do Rio de Janeiro, em abril do ano passado. O motivo seria o envolvimento dele com a namorada de Menor P. O jogador e a mulher foram levados por bandidos até a favela, onde teriam sido amarrados e torturados. A polícia diz que o atleta só se salvou por conta da intervenção de outro jogador não identificado, que foi criado no complexo da Maré.

Ex-paraquedista do Exército, Menor P estava foragido da Justiça desde 2007, quando recebeu um benefício para deixar o Instituto Penal Plácido Sá de Carvalho, no Complexo Penitenciário de Bangu, e não voltou mais. O traficante havia sido preso em 2003, por associação ao tráfico de drogas.

A polícia oferecia R$ 2 mil de recompensa por informações que levassem ao paradeiro de Menor P. Ele é um dos líderes da facção criminosa Terceiro Comando Puro (TCP), e ascendeu ao comando do tráfico na Maré em 2009, com a prisão de outros bandidos que estavam acima dele no organograma do tráfico local.

Menor P é descrito como bastante disciplinador, segundo informações da inteligência da polícia. Ele utiliza técnicas e conhecimentos adquiridos no tempo em que era paraquedista, e exige uma espécie de treinamento de sua “tropa”, com instruções de uso do armamento do bando, e exercícios físicos. Há informações de que o grupo já chegou a agir uniformizado, com todos vestidos de preto. Ainda segundo a polícia, Menor P tem forte poder de convencimento para recrutar novas pessoas para o tráfico de drogas.

Jornal Midiamax