Polícia

Policiais usam água do vizinho para abastecer prédio com várias delegacias na Capital

Funcionários do Cepol (Centro de Polícias Especializadas), prédio que reúne várias delegacias de Polícia Civil especializadas em Campo Grande, entraram em contato com o Midiamax nesta segunda-feira (15), informando que, além dos vários problemas estruturais que o prédio possui, estaria faltando até água nas torneiras e nos banheiros da unidade. O funcionário disse que foi […]

Arquivo Publicado em 15/09/2014, às 19h32

None

Funcionários do Cepol (Centro de Polícias Especializadas), prédio que reúne várias delegacias de Polícia Civil especializadas em Campo Grande, entraram em contato com o Midiamax nesta segunda-feira (15), informando que, além dos vários problemas estruturais que o prédio possui, estaria faltando até água nas torneiras e nos banheiros da unidade. O funcionário disse que foi necessário pedir água de comércios vizinhos no momento da crise.


Nesta segunda, algumas torneiras estavam funcionando normalmente, outras apenas pingavam água e de um dos bebedouros na saia água nenhuma gota de água. Segundo o diretor jurídico do Sinpol/MS (Sindicato dos Policiais Civis de Mato Grosso do Sul), Jean Carlo Miranda, o sindicato realizou uma vistoria no local.


A falta de água seria causada por um defeito na bomba da caixa d’água e o problema foi crítico na semana passada, quando realmente faltou água no prédio, por conta do desligamento, já que a água estaria se esvaindo por conta do defeito, que já tem cerca de dez dias. Nesta semana, a bomba da caixa d’água está sendo ligada e desligada, para evitar que água se perca. “Houve reclamações de falta de água, pois não estava ligando [a bomba] a todo momento. O banheiro ficou interditado”, diz.


Conforme Miranda, não há previsão para que seja feito o conserto da bomba, já que a expectativa é de que o Cepol seja transferido em cerca de 30 dias para outro prédio, no Bairro Tiradentes.


Problemas recorrentes


O prédio do Cepol é alugado e é alvo frequente de reclamações por parte dos servidores e da população que vai buscar atendimento no local. No ano passado, uma forte chuva fez com que o teto cedesse molhando computadores utilizados pelos policiais e alagando uma boa parte do espaço.


Em 2010, o local chegou a ficar sem água encanada por mais de duas semanas. Em 2011, ocorreu um grande alagamento em que várias salas e aparelhos ficaram inutilizados. Em 2011, o preço do aluguel mensal foi fixado em R$ 12.030,00, em diário oficial, validado até o dia 31 de dezembro de 2012.


O prédio onde fica o Cepol abriga a DEAIJ (Delegacia Especializada de Atendimento à Infância e Juventude), a DEDFAZ (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Defraudações, Falsificações Falimentares e Fazendários); a DEH (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Homicídio), a DEOPS (Delegacia Especializada de Ordem Política e Social) e a Polinter (Delegacia Especializada de Polinter e Capturas).

Jornal Midiamax