Polícia

Polícia investiga caso da mãe que matou filha e se suicidou em MS, 4 já foram ouvidos

O caso de Luzia Marques de Souza Cavalcante, 38 anos, tida como a autora do crime de homicídio da própria filha na terça-feira (11), ainda está sendo investigado pela polícia de Paranaíba, município a 413 quilômetros da Capital. Segundo o delegado responsável pelo caso, Arivaldo Teixeira, quatro pessoas já foram ouvidas, entre elas, os vizinhos […]

Arquivo Publicado em 13/06/2014, às 17h36

None
1011407400.jpg


Segundo o delegado responsável pelo caso, Arivaldo Teixeira, quatro pessoas já foram ouvidas, entre elas, os vizinhos que socorreram as duas filhas de Luzia e também o irmão dela. O delegado contou que o suicídio da mãe está sendo tratado como homicídio até que o caso seja concluído, para que nenhuma hipótese seja descartada.

Para Arivaldo, até o momento não há dúvidas de que Luzia foi a autora do crime de homicídio de uma das filhas e de suicídio. “O que foi apurado até o momento, não foge muito do que consta no boletim de ocorrência. Ela tinha algum distúrbio, todos os depoimentos colhidos vão nesse sentido.”, diz o delegado.

As informações obtidas com o irmão de Luzia são de que ela era uma pessoa de difícil convivência. Ele ainda declarou à polícia que seu cunhado era uma pessoa boa e que não acha que ele possa ter sido o autor do crime.

Mais quatro ou cinco pessoas ainda serão ouvidas sobre o caso, de acordo com o delegado. Ele disse que a criança, de 8 anos, que também foi ferida pela mãe, não deverá ser ouvida, para que ela não precise passar por todo o sofrimento novamente. A polícia também aguarda o resultado da perícia.

O Crime

Luzia matou uma filha, de 14 anos, e feriu a outra, de 8 anos, na madrugada desta terça. A adolescente foi atingida no pescoço pela mãe com um facão e ainda ajudou a irmã a pedir socorro para vizinhos, mas não resistiu ao ferimento e morreu antes da chegada do Corpo de Bombeiros.

A mãe se enforcou com o cabo elétrico do secador de cabelo. Ela morava na casa com as duas filhas e o marido, que estava trabalhando no momento do crime. A mulher ainda deixou uma carta para o marido antes de morrer, com orientações sobre despesas e dizendo que ‘agora ele estaria livre dela e das filhas’.



Jornal Midiamax