Polícia

Polícia conclui caso de bebê morta em incêndio no Los Angeles e mãe permanece presa

A Polícia Civil concluiu o inquérito que apura a morte da bebê Ketlyn Gabriela da Cruz Santos, de um ano e oito meses, no dia 9 deste mês, no bairro Jardim Los Angeles em Campo Grande. De acordo com a delegada Regina Márcia Rodrigues, da Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca), […]

Arquivo Publicado em 21/03/2014, às 19h55

None
1535323386.jpg

A Polícia Civil concluiu o inquérito que apura a morte da bebê Ketlyn Gabriela da Cruz Santos, de um ano e oito meses, no dia 9 deste mês, no bairro Jardim Los Angeles em Campo Grande. De acordo com a delegada Regina Márcia Rodrigues, da Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca), o caso já foi encaminhado para o poder judiciário.


Conforme Regina Márcia, a mãe da criança, Denise Alves da Cruz, de 27 anos, foi indiciada pelo crime de abandono de incapaz com resultado morte. A Polícia Civil concluiu que a mãe saiu de casa e deixou a menina dormindo, sob os cuidados do padrasto. Ele acordou e percebendo que a mulher não estava em casa, saiu também da residência.


O homem ficou dez minutos fora, tempo em que aconteceu o incêndio. Quando ele escutou gritos, voltou para casa e encontrou a avó das crianças, uma idosa cadeirante,e irmão da bebê, um menino de três anos, do lado de fora da casa. O berço onde estava o bebê foi atingido pelo incêndio e ela não resistiu aos ferimentos.


Sobre as causas do incêndio, a delegada aponta duas possibilidades: uma ponta de cigarro, ou o irmão da menina, uma criança de três anos que poderia ter ficado brincando com um isqueiro.


De acordo com dados do processo disponíveis no site do Tribunal de Justiça (TJ MS), a mãe responde pelo crime de abandono de incapaz com resultado morte com causa de aumento por ter sido praticado por ascendente e porte de droga para consumo pessoal. Denise, que foi presa em flagrante no dia da morte da filha, teve a prisão em flagrante convertida para preventiva no dia 17 deste mês.


“Por tais motivo, acolho a manifestação ministerial e, com fundamento no art. 310, II, do CPP, converto a prisão em flagrante em preventiva, eis que estão presentes os requisitos constantes do art. 312 do CPP, e por se revelarem, por ora, inadequadas ou insuficientes as medidas cautelares diversas da prisão”, afirma a juiz substituto da 4ª Câmara Criminal Marcelo Ivo de Oliveira.


Incêndio – A casa onde a bebê estava pegou fogo no dia 9 de março, no bairro Jardim Los Angeles. A menina que estava no berço onde o incêndio começou e morreu pouco antes na Upa Universitário (Unidade de Pronto Atendimento).


No dia 10, foi realizada uma perícia no local para que sejam apontadas as causas e as circunstâncias do incêndio. Durante a perícia, foram encontrados papelotes de maconha, cocaína, cachimbo, forma de alumínio e um prato, ambos com sinais de entorpecentes.

Jornal Midiamax