Polícia

Polícia busca suspeito de acender rojão que matou cinegrafista no Rio

A Polícia Civil informou, na manhã desta terça-feira (11), que equipes da 17ª DP (São Cristóvão) realizam diligências, nesta manhã, em vários pontos do Rio de Janeiro para cumprir mandado de prisão contra o acusado de lançar o rojão que matou o cinegrafista da “Band” Santiago Andrade, 49, durante um protesto no centro da cidade […]

Arquivo Publicado em 11/02/2014, às 14h26

None
736298692.jpg

A Polícia Civil informou, na manhã desta terça-feira (11), que equipes da 17ª DP (São Cristóvão) realizam diligências, nesta manhã, em vários pontos do Rio de Janeiro para cumprir mandado de prisão contra o acusado de lançar o rojão que matou o cinegrafista da “Band” Santiago Andrade, 49, durante um protesto no centro da cidade na última quinta-feira (6). O nome do suspeito é Caio Silva de Souza.

Após quatro dias internado no CTI (Centro de Tratamento Intensivo), Santiago teve morte encefálica na manhã de segunda-feira (10), no Hospital Souza Aguiar, no centro do Rio.

Mesmo após a neurocirurgia para estancar o sangramento e estabilizar a pressão intracraniana, Andrade ficou com mais de 90% do cérebro sem irrigação sanguínea. A mulher dele, Arlita, esteve no hospital durante todo o dia, mas não falou com a imprensa.

Na tarde de segunda-feira, a família doou os órgãos, conforme pedido prévio do cinegrafista. Ainda não há informações sobre velório, e a família informou que Andrade será cremado.

Durante todo o dia, o clima na porta do hospital foi de comoção e tristeza. À noite, a emissora realizou uma missa na Igreja Santa Cecília, em Botafogo, em memória do cinegrafista.

Colegas da Band afirmaram que o clima na empresa era de tristeza e revolta. Amigo de Andrade desde que ele começou na emissora, em julho de 2004, um funcionário que preferiu não se identificar contou que o cinegrafista estava em outra cobertura e foi escalado para filmar a manifestação depois do seu horário.

Acompanhado por uma repórter que foi buscar o carro quando Andrade foi atingido, a equipe ficaria poucos minutos no local. “Eles foram gravar algumas imagens. Ele estava completamente sozinho e não tinha como se defender. Se estivesse com um auxiliar de câmera, talvez a tragédia não tivesse acontecido, porque daria tempo de avisado”, disse.

Emoção

No Facebook, a filha do cinegrafista, a jornalista Vanessa Andrade, 29, escreveu uma declaração emocionada pouco depois de saber sobre a morte do pai. Ela contou alguns momentos marcantes que viveu com Andrade, desde a infância até a despedida.

“Esta noite (ontem) eu passei no hospital me despedindo. Só eu e ele. Deitada em seu ombro, tivemos tempo de conversar sobre muitos assuntos, pedi perdão pelas minhas falhas e prometi seguir de cabeça erguida e cuidar da minha mãe e de meus avós”.

Em sua página pessoal, ela recebeu o apoio e o carinho de amigos, familiares e até desconhecidos. Nas redes sociais, o clima era de indignação e inconformismo pela morte do cinegrafista. Em entrevista à “TV Globo”, após deixar o hospital no domingo (9), Arlita afirmou que ao visitar o marido sentiu “que ele não estava nem mais lá”.

Ela contou que, na quinta-feira à noite, ligou para o marido e foi atendida por outro cinegrafista que relatou a tragédia. “Achei que não tinha entendido e falei: ele foi fazer alguma matéria sobre alguém que levou uma bomba? A pessoa falou: Não, foi ele mesmo”, lembrou.

Dilma

A presidente Dilma Rousseff determinou à Polícia Federal que apoie as investigações para que as “punições cabíveis” sejam aplicadas aos culpados pela morte do cinegrafista. Por meio de sua conta no Twitter, ela comentou o episódio em uma série de cinco posts. Em um deles, disse que o caso “revolta e entristece” o país.

À noite, o ministro da Secretaria Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, também prestou “solidariedade à família desse nosso companheiro, que foi assassinado no Rio de Janeiro”. Ele acrescentou que o governo espera manifestações “maduras e pacíficas” durante a Copa do Mundo.

Jornal Midiamax