Polícia

Membro do PCC preso com drogas em SP pode estar ligado à morte de policial no Indubrasil

Suspeitas não foram confirmadas pelo delegado que assumiu a investigação do assassinato do soldado da Polícia Militar.

Arquivo Publicado em 06/06/2014, às 15h30

None
2059195.jpg

Suspeitas não foram confirmadas pelo delegado que assumiu a investigação do assassinato do soldado da Polícia Militar.

Hamilton Rios Heleno, o “Tinenê do PCC”, de 19 anos, foragido da Justiça de Mato Grosso do Sul por ser apontado como participante de facção criminosa foi detido na noite de quinta-feira (5), em Andradina, São Paulo.

Logo após a prisão, foi levatanda a possibilidade de que ele tenha alguma ligação com a morte Rony Mayckon Varoni Moura, de 26 anos, ocorrido na terça-feira (3), no Indubrasil, em Campo Grande (MS).

Com ‘Tinenê’ estava Marcos José Cacemiro Farias, de 23 anos. Ambos estavam dentro de um ônibus interestadual que saiu de Mato Grosso do Sul com destino a São Paulo e foram detidos por tráfico de drogas.

Os dois se identificaram como sacoleiros e disseram que são vendedores em Campo Grande. Porém durante a abordagem feita ao veículo e aos passageiros no posto da PRF (Polícia Rodoviária Federal) de Andradina foram encontrados 22 quilos de maconha na bagagem de cada um deles.

No local era realizada uma ação em conjunto pela PRF, Força Tática da PM (Polícia Militar) e TOR (Tático Ostensivo Rodoviário) denominada Operação Modal Terrestre. Os dois chegaram a contar para a polícia que receberiam R$ 1 mil cada um pelo transporte do entorpecente.

VELHO CONHECIDO

Hamilton é um “velho conhecido” da polícia, pois tem uma ficha extensa. Ele foi apontado  com a irmã, o irmão e outras cinco pessoas por jogar uma granada na base comunitária da PM do Bairro Moreninhas, região sul de Campo Grande, em 2012.

O irmão dele, identificado como Ailton Rios Heleno, de 26 anos, chegou a ser sentenciado por tráfico de drogas e seria o contato com Hamilton no PCC (facção criminosa que age dentro de presídios do país).

POLICIAL

As informações de que Hamilton também seria investigado pela morte do policial militar, Rony Mayckon Varoni Moura, de 26 anos, ocorrido na terça-feira (3), na BR-262, no Bairro Indubrasil, não foram confirmadas pelo delegado responsável pelo caso, Fabio Peró, também lotado na Derf (Delegacia Especializada de Roubos e Furtos). Ele descartou a relação.

“Estamos investigando e ainda não há informações sobre o caso para serem divulgadas, mas adianto que ele não aparece, nem como suspeito”, explica Fábio Peró.

Jornal Midiamax