Polícia

Homem que estuprou crianças de 2 e 6 anos em Campo Grande é preso em Jardim

Ele foi denunciado pela mãe da bebê de 2 anos, que desconfiou de marcas e foi orientada pelo médico a fazer exame de corpo de delito. Após isto, ela descobriu que o irmão, de 6 anos também tinha sido abusado.

Arquivo Publicado em 06/01/2014, às 21h05

None
847851614.jpg

Ele foi denunciado pela mãe da bebê de 2 anos, que desconfiou de marcas e foi orientada pelo médico a fazer exame de corpo de delito. Após isto, ela descobriu que o irmão, de 6 anos também tinha sido abusado.

Rapaz de 23 anos foi preso nesta segunda-feira (6), em Campo Grande, acusado de estuprar a enteada, uma bebê de 2 anos e o cunhado, um menino de 6. Depois de ser denunciado à polícia pela mulher, ele fugiu e foi encontrado em Jardim, a 239 quilômetros da Capital.

A mãe da menina, que também não será identificada para preservar as identidades das crianças, percebeu que o bebê tinha marcas pelo corpo havia mais ou menos dez dias . Segundo a delegada responsável pelo caso, Regina Márcia Rodrigues, ela então levou a menina para um posto de saúde.

No posto, a médica desconfiou que poderia ser abuso e orientou a mãe a ir  à delegacia pedir um exame de corpo de delito. O exame do Instituto Médico-Legal (IML) confirmou que o bebê sofreu abusos sexuais.

Depois de pegar o resultado do exame, a mulher voltou para casa e em conversa com a avó das crianças descobriu que a criança de 6 anos também havia sofrido abusos. “Depois disso ela o denunciou para a polícia e ele fugiu”, disse a delegada.

Ao fugir, o rapaz entrou em contato com a mulher e disse que havia sofrido um acidente, que tinha acabado com a vida dele. “Aí ela teve certeza  de que ele tinha cometido um crime contra a família”, resumiu Regina Márcia.

A polícia o prendeu em Jardim e ainda descobriu que ele tinha prometido presentes a uma prima da família para que ela dissesse à mãe da bebê que as lesões teriam sido ocasionadas durante o banho.

O rapaz vai responder por estupro de vulnerável, com pena de até 15 anos de reclusão. Ele nega todas as denúncias.

Jornal Midiamax