Polícia

Apaixonado pela PM, soldado morto tinha vários policiais na família e ia se casar

 “Era um moleque cheio de planos, terminando a faculdade, apaixonado pela Polícia Militar, que tiraram da gente”. Assim é descrito pela tia, o soldado da Polícia Militar Rony Mayckon Varoni de Moura, de 28 anos, que foi morto em uma tentativa de assalto na terça-feira (3), em Campo Grande. Durante o velório do militar, no […]

Arquivo Publicado em 04/06/2014, às 17h28

None
976363056.jpg

 “Era um moleque cheio de planos, terminando a faculdade, apaixonado pela Polícia Militar, que tiraram da gente”. Assim é descrito pela tia, o soldado da Polícia Militar Rony Mayckon Varoni de Moura, de 28 anos, que foi morto em uma tentativa de assalto na terça-feira (3), em Campo Grande.


Durante o velório do militar, no começo da tarde desta quarta-feira (4), a tia de Rony, a sargento da reserva da PM, Erli Varoni de Moura, de 50 anos contou que o soldado veio de uma família de policiais militares e sempre quis entrar na Corporação. Além dela, e do soldado, na família há três tios e dois primos PMs.


Abatida pela morte do sobrinho, Erli revelou que a mãe de Rony ainda está em estado de choque e que chegou a passar mal. O soldado era filho único, morava com a mãe e terminou recentemente a faculdade de serviço social. Segundo a tia, a morte do soldado arrasou a família que ainda tentava se recuperar da morte de tio de Rony, também militar, que morreu em um acidente na Avenida das Bandeiras com a Salgado Filho.


Segundo a tia, Rony namorava há seis anos e tinha planos de casar no próximo ano. Erli diz que o sobrinho era um soldado  dedicado e que entrou na PM em 2010. “Era uma festa todo dia, principalmente com o resultado positivo para entrar na PM. Nunca vi triste. Era sempre amigo, feliz”, comenta.


Segundo ela, a família já estava planejando várias festas que reuniriam todos os parentes do soldado. “Era a festa de fim de ano, a formatura da namorada dele. Já estava tudo planejado. Como vai ficar agora?”, questiona a tia.


Assalto


O soldado foi morto a tiros durante uma tentativa de assalto, na BR-262, na rotatória do Indubrasil, em Campo Grande. Rony estava em um veículo Saveiro com um colega, cabo da PM, que não foi ferido.


Os militares foram atacados por homens que se aproximaram do carro ocupando duas motocicletas. Mais de 15 viaturas foram acionadas e as duas pistas da rodovia ficaram interditadas.


Cerca de 20 viaturas e 70 policiais estiveram no local, dentre PM, Polícia Civil e PRF (Polícia Rodoviária Federal).



Jornal Midiamax