Polícia

Profissional do sexo diz que levou calote de R$ 1.600 e denuncia cliente à polícia

Uma profissional do sexo de Araçatuba (527 km de São Paulo) registrou na noite dessa quinta-feira (14) uma queixa por estelionato contra um cliente que, segundo ela, lhe deve R$ 1.600 por serviços prestados. Cleusa Pires de Souza disse à polícia que a dívida foi contraída no dia 11 de janeiro, quando fez programa pela […]

Arquivo Publicado em 15/02/2013, às 16h48

None

Uma profissional do sexo de Araçatuba (527 km de São Paulo) registrou na noite dessa quinta-feira (14) uma queixa por estelionato contra um cliente que, segundo ela, lhe deve R$ 1.600 por serviços prestados.



Cleusa Pires de Souza disse à polícia que a dívida foi contraída no dia 11 de janeiro, quando fez programa pela terceira vez com o devedor, identificado como Rodrigo e morador de Buritama (531 km de São Paulo).



Ambos chegaram ao motel no dia 11, pouco depois da meia-noite. No local, disse Cleusa, o rapaz pediu para que ela ficasse na companhia dele até o dia amanhecer. Ela concordou, mas com a condição de receber mais pelo serviço.



De acordo com o boletim de ocorrência registrado no plantão policial, o acompanhante fez o pagamento mediante três transferências bancárias pelo notebook e na presença da prostituta. Ambos deixaram o motel por volta das 9h30.



Calote



Ao consultar a conta do banco, Cleusa constatou que seus honorários não haviam sido depositados. Ela disse que tentou vários contatos com o cliente, sem sucesso. Revoltada com o calote, ela resolveu denunciá-lo por estelionato.



Mas, se depender da polícia, a profissional não vai receber pelo trabalho. Segundo o delegado seccional de polícia de Araçatuba, Nelson Barbosa Filho, 56, o caso não será investigado porque não configura crime.



“Aparentemente não há delito algum. Se ela quiser receber o dinheiro, deve procurar a Justiça e provar a existência da dívida”, afirmou o delegado.


Jornal Midiamax