Polícia

Polícia pede prisão preventiva de estelionatária que aplicou golpes em todo o país

Enquanto realizava o pedido de prisão preventiva de Andréia Aparecida de Souza Carlos, 32 anos, acusada de aplicar golpes em todo o país com a falsa venda de eletrônicos, pelo site www.souzatel.com.br, o delegado Wellington de Oliveira, responsável pelo inquérito, foi surpreendido ontem por mais uma vítima do Estado do Paraná. Da mesma maneira dos […]

Arquivo Publicado em 26/03/2013, às 17h52

None

Enquanto realizava o pedido de prisão preventiva de Andréia Aparecida de Souza Carlos, 32 anos, acusada de aplicar golpes em todo o país com a falsa venda de eletrônicos, pelo site www.souzatel.com.br, o delegado Wellington de Oliveira, responsável pelo inquérito, foi surpreendido ontem por mais uma vítima do Estado do Paraná.

Da mesma maneira dos outros denunciantes, R.P. S. disse que fez o pedido de um eletrônico e em seguida o pagamento de R$ 1.363 em boleto bancário. Dias após, ele constatou que o site estava ‘fora do ar’ e jamais recebeu o produto.

Ele é apenas mais um das inúmeras vítimas de Andréia que possuía a sede da empresa em Campo Grande, inclusive com atendimento online e emissão de boletos para dar mais ‘credibilidade’ a sua empresa.

“Infelizmente ela pode estar aplicando outros golpes, principalmente pelo fato de não ter um local correto de moradia, utilizar a rede mundial de computadores e intervir na ordem econômica das pessoas, que compraram dispositivos de maneira honesta e jamais receberam por eles”, afirma o delegado Oliveira.

Com essa argumentação, o delegado espera que seja aceito o pedido da prisão preventiva e que Andréia seja capturada o mais rápido o possível. “Apesar do nome apresentado ter RG e CPF, ainda não temos a certeza de que a estelionatária realmente se chama Andréia. Mas vamos enviar os documentos para todos os institutos de identificação para que reconhecê-la”, explica o delegado.

Um desses locais fica em Juiz de Fora (MG), lugar onde Andréia nasceu e possui inúmeros parentes. A polícia, que já contabiliza 15 vítimas de Campo Grande, São Paulo e interior, Rio de Janeiro e Paraná, continua investigando o caso.

Jornal Midiamax