Polícia

Londres desconversa sobre falta de Jamal e diz que não vai policiar vereadores

O presidente estadual do PR, deputado Londres Machado, informou que o partido não vai cobrar explicações do vereador Dr. Jamal (PR) por conta da falta a sessão da terça-feira (8), quando a oposição contava com o voto dele para abrir uma comissão processante para investigar o prefeito Alcides Bernal (PP). O deputado informou que vai […]

Arquivo Publicado em 10/10/2013, às 12h12

None
1633759648.jpg

O presidente estadual do PR, deputado Londres Machado, informou que o partido não vai cobrar explicações do vereador Dr. Jamal (PR) por conta da falta a sessão da terça-feira (8), quando a oposição contava com o voto dele para abrir uma comissão processante para investigar o prefeito Alcides Bernal (PP).

O deputado informou que vai aguardar o retorno do deputado Paulo Corrêa (PR), que é mais ligado a Jamal, para conversar sobre o assunto. Todavia, já adiantou que o partido não deve cobrar explicações do vereador, visto que não tinha emitido nenhuma ordem para ser oposição na Câmara.

“Não tinha nenhuma norma traçada. Não tinha nada e cada um seguia o seu entendimento, de acordo com o seu interesse e sua consciência. Nós não vamos fazer policiamento dos vereadores”, garantiu o deputado, que é pai da vereadora Grazielle Machado (PR), oposição ao prefeito na Casa.

Jamal é um dos vereadores mais assediados na disputa entre a oposição e a base na luta pela abertura da comissão processante. Ele era contado como voto certo da oposição, mas na última hora, para espanto dos vereadores, não foi a sessão, deixando os aliados, inclusive o vereador Paulo Siufi (PMDB), de quem é amigo pessoal, “a ver navios”.

Irritado, Siufi chegou a dizer que Jamal era próximo a ele. Grazielle Machado também não escondeu o espanto, revelando que até a véspera da votação o vereador garantiu que apoiaria a comissão processante. Do outro lado, a base de Bernal já considera Jamal um aliado, por entender que a ausência dele no dia da votação indica a preferência, embora não tivesse coragem de votar contra o grupo que pertence há alguns anos.

Em entrevista ao Midiamax na semana passada, o vereador não confirmou adesão a base de Bernal, mas confessou que foi ao gabinete para conversar e sugeriu que Bernal conversasse com o PR para falar das intenções dele.

Jornal Midiamax