Polícia

Homem com três nomes é preso e confessa morte de sogra na aldeia Bororó

O genro suspeito de matar a sogra na aldeia Bororó em Dourados foi preso na manhã desta sexta-feira pela Força Nacional em parceria com o SIG. Ele foi detido na aldeia Piraju, região do Porto Cambira. Na delegacia ele se apresentou com três nomes: Damásio Centurião, Edmar Centurião e Tato centurião. O crime ocorreu na […]

Arquivo Publicado em 15/02/2013, às 21h44

None

O genro suspeito de matar a sogra na aldeia Bororó em Dourados foi preso na manhã desta sexta-feira pela Força Nacional em parceria com o SIG. Ele foi detido na aldeia Piraju, região do Porto Cambira. Na delegacia ele se apresentou com três nomes: Damásio Centurião, Edmar Centurião e Tato centurião. O crime ocorreu na noite de quarta-feira. O genro desferiu vários golpes de machado na cabeça da sogra.



Para o delegado Adilson Stiguivitis, o indígena disse que não sabe o motivo de possuir três identidades. Ele confessou o assassinato da sogra e que na noite do crime tomava bebida alcoólica com ela e a sua esposa.



Segundo o indígena em depoimento, na noite do crime ocorreu uma discussão e a sogra desferiu uma paulada contra ele. Furioso, alegou ter ido até a casa do pai, pegou uma machado e voltou para matar a sogra, Rita Batista, de 50 anos.



O crime, segundo ele, foi praticado na frente da sua esposa e que só não matou ela por estar grávida. A filha entrou em choque e só comunicou o crime na manhã do dia seguinte.



Ao puxar a ficha do indígena, a polícia descobriu vários crimes entre os nomes dele, dos quais dois por estupro e que há uma condenação de 25 anos de cadeia.



Ao delegado o indígena negou ter praticado estupro. Informou apenas que já teria matado três pessoas.


Jornal Midiamax