Polícia

Defensores dos Direitos Humanos tentam visitar e ajudar policial baleado por assaltante

O CDDH (Centro de Defesa dos Direitos Humanos Marçal de Souza), o CNBB (Confederação Nacional dos Bispos do Brasil), a OAB-MS (Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Mato Grosso do Sul), a Pastoral Social da Arquidiocese de Campo Grande e o IBIS foram na tarde desta terça-feira (8) à Santa Casa para prestar solidariedade ao […]

Arquivo Publicado em 08/10/2013, às 18h03

None

O CDDH (Centro de Defesa dos Direitos Humanos Marçal de Souza), o CNBB (Confederação Nacional dos Bispos do Brasil), a OAB-MS (Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Mato Grosso do Sul), a Pastoral Social da Arquidiocese de Campo Grande e o IBIS foram na tarde desta terça-feira (8) à Santa Casa para prestar solidariedade ao policial militar baleado no final de semana, mas ele havia recebido alta.


De acordo com a assessoria do hospital, o soldado da PM Wagner Pinheiro da Silva, alvejado por dois tiros em uma sorveteria na avenida Júlio de Castilho no Jardim Panamá em Campo Grande na noite deste domingo (7) recebeu alta às 11h29. O policial não precisou passar por cirurgia.


“Nós queremos ajudá-lo porque o Estado não custeia cerca de 30% do tratamento dos policiais nessas ocasiões. Ele tentou evitar uma fatalidade e ficou ferido, mas não recebe apoio e nós estamos aqui para prestar solidariedade”, disse o presidente do CDDH Paulo Ângelo de Souza.


Os representantes das entidades vão procurar a ACS (associação de Cabos e Soldados dos Bombeiros e da Polícia Militar) amanhã para saber o endereço do soldado e ajudá-lo.


“Eles acabam ficando desassistido, fazem de três a quatro jornadas, trabalham em viaturas quebradas. O Estado os coloca em risco e não ajuda”, disse Souza.


 Lairson Palermo, da CNBB, falou que ele também se solidariza pela questão da vistoria e uso das armas e fiscalização. “O armamento falhou. Precisamos verificar se essas armas estão sucateadas”, opinou.


O soldado da Polícia Militar Wagner Pinheiro da Silva, alvejado por dois tiros em uma sorveteria na avenida Júlio de Castilho no Jardim Panamá em Campo Grande na noite deste domingo (7), ainda está na Santa Casa. Ele tentou impedir um assalto na sorveteria momento em que levou dois tiros no tórax.


No momento da ação, o revólver do PM travou. Em reação o bandido então efetuou vários disparos, sendo que dois acertaram o soldado.


Posteriormente o ladrão fugiu na garupa da moto de um comparsa. Segundo testemunhas, o outro ladrão, esperava pelo autor na rua Flamingos. Ambos estavam em uma moto prata muito barulhenta.


O delegado Natanal Balduíno do 7° DP, informou que a Polícia Civil irá analisar imagens de circuitos internos de câmeras na região, na tentativa de identificar os autores.

Jornal Midiamax