Polícia

Preso por tráfico despista agentes e foge da sede de Polícia Federal em Brasília

Um traficante de baixo escalão, chamado de “mula” no jargão policial, passou a perna na polícia mais bem paga e equipada do País. Preso no último sábado no Aeroporto Internacional de Brasília com dez quilos de cocaína, o traficante foi levado algemado e sob forte escolta até a Superintendência da Polícia Federal. Enquanto eram feitos […]

Arquivo Publicado em 11/06/2012, às 20h44

None

Um traficante de baixo escalão, chamado de “mula” no jargão policial, passou a perna na polícia mais bem paga e equipada do País. Preso no último sábado no Aeroporto Internacional de Brasília com dez quilos de cocaína, o traficante foi levado algemado e sob forte escolta até a Superintendência da Polícia Federal. Enquanto eram feitos os procedimentos para registro da ocorrência e qualificação do suspeito, ele aproveitou um momento de distração dos policiais e fugiu misteriosamente.


Resíduos de sangue e tecido humano encontrados pela perícia no local onde o detento aguardava pelas instruções das autoridades revelam que ele machucou os pulsos para forçar a retirada das algemas, que estariam um pouco folgadas. Ele pode inclusive ter quebrado os pulsos. A seguir, saiu pela portaria, que está com as catracas danificadas. O plantonista havia se ausentado. Ele também não foi incomodado pelos agentes da guarita, que são terceirizados e costumam ser rígidos apenas com quem entra no local.


O mais incrível é que ele saiu a pé e caminhou quilômetros sem ser molestado. Sua carteira e todo o dinheiro que tinha haviam sido apreendidos. A hora provável do sumiço foi entre 16h e 17h, quando se realizava o jogo Brasil e Argentina. Mas a PF não confirma o horário e nem se o motivo da distração foi o jogo.


A única pista do traficante é a carteira de identidade, que a PF apreendeu no aeroporto, mas não sabe se é verdadeira ou falsa. A identidade indica o nome do acreano José Martins da Silva. O suspeito ia de Porto Velho (RO) para Macapá (AP), em voo com conexão em Brasília, onde foi preso.


De “saia justa”, a direção nacional da PF exigiu providências rigorosas da superintendência, comandada pela delegada Silvana Vieira Borges. Ela determinou nesta segunda-feira abertura de processo administrativo e criminal para apurar responsabilidades no episódio. O objetivo é verificar se houve negligência ou facilitação criminosa na fuga. Nessa hipótese, os acusados estão sujeitos a penas que vão da suspensão à demissão a bem do serviço público, além de processo na Justiça.


A PF também adotou uma série de medidas para recapturar o fugitivo. A foto do traficante será distribuída a partir da terça-feira em todas as delegacias, aeroportos, portos e postos de saída na fronteira do País. No cartaz de busca a ser distribuído, lê-se que o traficante é moreno, tem 52 anos e, quando fugiu, trajava calça cor caqui e camiseta de manga curta azul. Entre as medidas adotadas, conforme nota divulgada pela PF, estão “lavratura do flagrante com indiciamento indireto do foragido, apreensão da droga, perícia, buscas com cães farejadores e requerimento pela prisão preventiva”.


A Justiça concedeu na segunda-feira o pedido de prisão preventiva do foragido. O voo em que o traficante viajou até Brasília era procedente de Porto Velho. O destino mais provável era o exterior, mas a PF não divulgou o país para não alertar outros possíveis alvos. (Com informações da Agência Estado)


Jornal Midiamax