Polícia

Policiais federais em greve queimam diploma em São Paulo

Policiais federais fizeram na tarde de hoje (3) uma manifestação em frente ao prédio da Superintendência da Polícia Federal, na capital paulista. Os manifestantes hastearam uma bandeira com a inscrição “SOS para a Polícia Federal” e simbolicamente queimaram diplomas para mostrar que a categoria (agentes, escrivães e papiloscopistas) tem nível superior, porém não recebe salário […]

Arquivo Publicado em 03/09/2012, às 18h52

None

Policiais federais fizeram na tarde de hoje (3) uma manifestação em frente ao prédio da Superintendência da Polícia Federal, na capital paulista. Os manifestantes hastearam uma bandeira com a inscrição “SOS para a Polícia Federal” e simbolicamente queimaram diplomas para mostrar que a categoria (agentes, escrivães e papiloscopistas) tem nível superior, porém não recebe salário correspondente.


Segundo o diretor financeiro do Sindicato dos Servidores da Polícia Federal do Estado de São Paulo, Nilton Mendes, o ato foi feito para chamar a atenção para a principal reivindicação dos servidores, que é a reestruturação da carreira.


“Houve um pouco de negociação no início da greve e depois disso não houve mais, porque o governo disse que o prazo para as negociações se encerrou, mas nós não entramos em greve por causa de salário e sim por uma necessidade de reestruturação, que o governo não se manifesta no sentido de fazer.”


Mendes ressaltou que a greve deve continuar por tempo indeterminado e que a adesão nunca foi tão grande em todos os estados. “A partir do momento em que o governo anunciou que iria cortar o ponto dos grevistas, os servidores ficaram mais inclinados a participar.”


De acordo com informações da Polícia Federal e do sindicato, os serviços de emissão de passaporte e atendimento ao estrangeiro continuam, pois os funcionários desses setores são terceirizados. Em São Paulo, esses serviços funcionam normalmente. Segundo a Polícia Federal e o sindicato, a greve afetou, principalmente, os inquéritos e investigações.


“O serviços de investigações que dependem dos policiais foram os mais afetados. As grandes operações da Polícia Federal estão todas suspensas, assim como os serviços de investigação e cumprimento de mandados de busca e prisão. Já o serviço de atendimento ao público está funcionando”, disse.


Além da reestruturação da carreira, os servidores pedem reajuste salarial, realização de novos concursos e aumento do efetivo, além do reajuste nos valores dos auxílios-alimentação, saúde, creche e transporte.


Jornal Midiamax