Polícia

Mulher baleada no centro era agredida constantemente por ex-namorado, diz polícia

Familiares da vítima disseram em depoimento a delegada que ela separou do ex-namorado porque o rapaz a agredia dentro de casa, sendo que a última violência foi o motivo principal da separação do casal.

Arquivo Publicado em 20/12/2012, às 17h24

None

Familiares da vítima disseram em depoimento a delegada que ela separou do ex-namorado porque o rapaz a agredia dentro de casa, sendo que a última violência foi o motivo principal da separação do casal.

Antes mesmo de concluir o depoimento formal, familiares de Bruna Moura Araújo, 24 anos, baleada na manhã desta quinta-feira (20), no centro de Campo Grande, disseram que ela separou do ex-namorado porque o rapaz a agrediu dentro de casa algumas vezes, sendo que a última violência foi o motivo principal da separação do casal.


As informações são da delegada Fernanda Félix Mendes, da Deam (Delegacia Especializada de Atendimento a Mulher), que aguarda nesta tarde três pessoas para prestarem depoimento, sendo a dona da loja onde a vítima trabalha, na rua Maracajú, a irmã da vítima, que presenciou a discussão dos dois no veículo e ainda uma terceira pessoa que estava com a proprietária do comércio.


”Uma agressão física, que esteja ocorrendo intramuros e nenhum vizinho escutou, só poderá ser descoberta se a vítima denunciar a polícia, algo que Bruna não fez. Pesquisamos e não encontramos nenhuma ocorrência dela contra Rafael, mesmo a irmã da vítima dizendo que as brigas seriam freqüentes”, afirma ao Midiamax a delegada Félix.


O casal, separado há três meses, residia no Jardim Montevidéu. E Rafael Felastiga, 27 anos, que morreu logo após a tentativa de homicídio, teria comprado o revólver calibre 38, utilizado no crime, instantes após sair da loja onde deixou a vítima.


Ele teria conseguido R$ 700 emprestado e logo em seguida adquirido o objeto. “Estas são informações preliminares, que ainda não constam no inquérito policial, apenas em depoimento informal, porém estamos investigando”, comenta a delegada.

Jornal Midiamax