Polícia

Funcionário público é preso acusado de pedofilia em Nova Alvorada do Sul

A Polícia Civil de Nova Alvorada do Sul prendeu, no início da noite de ontem, o funcionário público A. S., 63 anos, acusado da prática de crime de estupro de vulnerável. Ele foi preso enquanto jogava sinuca em um bar em frente da sua residência. A Polícia chegou até o suspeito após receber informações deque […]

Arquivo Publicado em 15/06/2012, às 14h35

None

A Polícia Civil de Nova Alvorada do Sul prendeu, no início da noite de ontem, o funcionário público A. S., 63 anos, acusado da prática de crime de estupro de vulnerável. Ele foi preso enquanto jogava sinuca em um bar em frente da sua residência.


A Polícia chegou até o suspeito após receber informações deque ele teria abusado sexualmente de uma menina de 9 anos de idade. Foi instaurado um Inquérito Policial para apuração do fato e colhidos relatos testemunhais e laudos psicológicos da vítima, que subsidiaram a formulação de um pedido de prisão temporária por parte do presidente do Inquérito, Delegado Thiago José Passos da Silva. O pedido foi acolhido pela Justiça, com parecer favorável do Ministério Público e o suspeito foi preso no início da noite de ontem por Delegados e agentes da Polícia Civil.


Em seu interrogatório, o preso admitiu ter praticado alguns atos com a criança que evidenciam a exploração sexual. Um veículo Fiat Pálio de propriedade do preso foi apreendido pela Polícia Civil e será submetido a exame pericial, pois existem informações de que parte dos abusos ocorreram no interior do veículo.


A prisão temporária foi decretada por um prazo de 30,prorrogável por mais 30, existindo, ainda, a possibilidade de decretação da prisão preventiva, situação em que o acusado pode ter de aguardar todo o curso do processo preso. a Polícia Civil agora vai investigar a existência de outras possíveis vítimas. Se condenado, o acusado estará sujeito a uma pena que varia de 8 a quinze anos de reclusão.


A Polícia Civil alerta pais, professores, tutores, enfim,todos que de alguma forma são responsáveis por crianças para que fiquem atento as mudanças de comportamento, tais como: vergonha excessiva, tristeza, baixa autoestima, medo de lugares fechados ou de pessoas, comportamento arredio ou agressivo, amadurecimento sexual precoce, interesse ou conhecimento súbito sobre questões sexuais, regressão a comportamentos infantis, tais como fazer xixi na cama, choro excessivo. Além das mudanças de comportamento, os pais devem ficar atentos para sintomas físicos, como dores no corpo,sangramentos nos órgão sexuais, doenças psicossomáticas com sintomas como dores de cabeça, vômito, dificuldade digestiva, erupções na pele.


Observado qualquer indício de ocorrência de exploração sexual os pais devem procurar a Polícia Civil ou os órgãos de defesa, como Conselho Tutelar, CRAS, CREAS. A criança será atendida por profissional competente, normalmente por um psicólogo e uma assistente social e o respectivo relatório é enviado ao Delegado de Polícia, sem necessidade de expor a criança a transporte em viatura policial ou depoimentos em Delegacias de Polícia.

Jornal Midiamax