Polícia

Falsos portugueses são presos ao vender roupas da 25 de março como se fossem de grifes famosas

Primeiro a dupla foi flagrada em atitude suspeita por investigadores, que decidiram monitorá-los logo depois. Uma vítima escolheu sete peças, nas quais eles diziam ter um corte italiano, e já iria ao banco sacar o dinheiro quando eles foram abordados pela Polícia Civil.

Arquivo Publicado em 31/07/2012, às 19h07

None
157669542.jpg

Primeiro a dupla foi flagrada em atitude suspeita por investigadores, que decidiram monitorá-los logo depois. Uma vítima escolheu sete peças, nas quais eles diziam ter um corte italiano, e já iria ao banco sacar o dinheiro quando eles foram abordados pela Polícia Civil.

Ao comercializar jaquetas e bolsas ecológicas como sendo produtos de grifes famosas, pai e filho foram presos em flagrante ontem (30), por policiais da Decon (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes contra as relações de Consumo), em Campo Grande.


Primeiro a dupla foi flagrada em atitude suspeita por investigadores, que decidiram monitorá-los logo depois. Uma vítima escolheu sete peças, nas quais eles diziam ter um corte italiano, e já iria ao banco sacar o dinheiro quando eles foram abordados pela Polícia Civil.


Ao todo Artur Nunes da Silva, 45 anos e Gary Nunes Vargas e Silva, 22 anos, receberiam R$ 1,2 mil por peças que eles compraram na 25 de março, em São Paulo, e pagaram um preço dez vezes inferior.


A dupla confessou estar na Capital de férias. O jovem Gary, que foi surpreendido em um veículo Hyunday i-30, de cor preta, também portava uma carteira de habilitação falsa de origem portuguesa, que teria sido falsificada por ele próprio.


Questionados sobre a posse do produto, Artur, nascido em Portugal, afirmou ser o proprietário da mercadoria ilegal. De uma família de vendedores ambulantes, ambos residem, atualmente, na cidade de Guarapari (ES).


Eles foram autuados em flagrante e, após pagarem fiança arbitrada no valor de R$ 1,2 mil, para cada um, foram colocados em liberdade.


A Polícia Civil orienta vítimas, caso existam, a procurar a Decon. O telefone para contato é: 3316 – 9805.

Jornal Midiamax