Polícia

Delegado pede vinda de presos e família sequestrada fará reconhecimento

Após a prisão de três de pelo menos cinco bandidos que fizeram duas famílias reféns na madrugada de domingo (8), em Campo Grande, a Polícia Civil da Capital irá instaurar o inquérito nesta segunda-feira (9) e pedir a transferência dos homens, para saber mais detalhes do crime e contribuir nas investigações que já estão em […]

Arquivo Publicado em 09/01/2012, às 14h37

None

Após a prisão de três de pelo menos cinco bandidos que fizeram duas famílias reféns na madrugada de domingo (8), em Campo Grande, a Polícia Civil da Capital irá instaurar o inquérito nesta segunda-feira (9) e pedir a transferência dos homens, para saber mais detalhes do crime e contribuir nas investigações que já estão em andamento.

“A Polícia Militar de Ponta Porã prendeu Renan Rodrigues Fernandes, 22 anos, Diego da Silva Siqueira, 22 anos e Thiago Pereira Carrilho, 21 anos, no momento em que entregavam as caminhonetes roubadas para terceiros. Para sabermos mais detalhes do crime e da devolução dos veículos, vamos pedir a transferência deles junto ao Poder Judiciário e continuar mantendo o contato com as vítimas, para que elas façam o reconhecimento fotográfico dos foragidos e suspeitos”, afirma o delegado Geraldo Marin Barbosa, da Defurv (Delegacia Especializada de Furtos e Roubos de Veículos).

Na ocasião, nove pessoas de duas famílias da Mata do Jacinto e Carandá Bosque II foram rendidas por seis homens fortemente armados e amordaçadas em um cativeiro no bairro Jardim Veraneio, a cerca de 30 metros de distância do Parque dos Poderes. Entre as vítimas estavam duas crianças de 3 e 7 anos.

Durante a madrugada de ontem, um comparsa chegou ao local do cativeiro e avisou ao homem que estava de campana que os três colegas que tentavam atravessar a S-10 branca da família Trentin foram pegos pela Polícia Militar de Ponta Porã. Eles fugiram do local, deixando as famílias ainda amarradas. Quando perceberam que foram deixados sozinhos no local, os familiares conseguiram se desamarrar e acionar a polícia de um telefone próximo ao Ministério Público, no Parque dos Poderes.

Jornal Midiamax