Polícia

Agentes e policiais de Mato Grosso do Sul participam de curso do BOPE/RJ

Agentes da segurança pública estadual e municipal participam durante toda a semana do Curso de Operações Especiais em Combate Tático Urbano, realizado pelo Centro de Especialização e Instrução de Operações Especiais (CETTA/RJ), que reúne técnicas utilizadas pelas tropas de elite do BOPE (PM/RJ) e CORE (Polícia Civil/RJ) e ainda técnicas utilizadas em países de crise. […]

Arquivo Publicado em 05/12/2012, às 19h55

None
582741107.jpg

Agentes da segurança pública estadual e municipal participam durante toda a semana do Curso de Operações Especiais em Combate Tático Urbano, realizado pelo Centro de Especialização e Instrução de Operações Especiais (CETTA/RJ), que reúne técnicas utilizadas pelas tropas de elite do BOPE (PM/RJ) e CORE (Polícia Civil/RJ) e ainda técnicas utilizadas em países de crise.

O objetivo do curso – que é privado – é capacitar e qualificar os profissionais por meio de técnicas como: Combate Urbano com Operador; Defesa e Retenção de Armamento; Inteligência Operacional, entre outros.

Durante as instruções são realizadas técnicas a cerca de confronto urbano, abordagem de tráfico, assalto a banco e sequestro. Na manhã desta quarta-feira (4), os participantes do curso participaram de uma simulação de resgate de reféns em um ônibus. No período da tarde, os profissionais realizaram o combate com faca.

Para o agente penitenciário Ximenes, este tipo de instrução vai de encontro à realidade do dia-a-dia da profissão. “É a arma do preso (faca), pois ele consegue criá-la de inúmeras formas de acordo com seu estoque. Seja escova de dente, madeira, ou qualquer outro material que ele consiga adaptar.”, comenta.

Conforme o delegado regional do Cetta – Cleiton Sylva, a capacitação é dirigida a agentes da Polícia Militar, Polícia Civil, Guarda Municipal, Exército e Agente Penitenciário. O curso tem duração de seis dias e conta com 40 profissionais. “Durante a instrução os agentes aprimoram seus conhecimentos técnicos e práticos, além de lidar com situações como varredura de locais ermos, tipo favelas.”.

Para 2013, um novo curso está previsto para ser realizado na Capital, porém a empresa espera realizar uma parceria com o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Segurança, de forma a dar cursos específicos a cada instituição.

“Os Agentes Penitenciários possuem necessidades especificas e diferentes do policial civil e do soldado do exército, por exemplo. Então iremos propor este curso específico de forma a dar suporte à necessidade de cada instituição.”, explica.

O coordenado da Cetta – perito Júnior, avalia que o curso se aplica a qualquer tipo de insurgência, porém, no caso de Campo Grande, é dada ênfase às questões de fronteira, como o tráfico de drogas e o contrabando.

“Trouxemos a realidade das polícias do Rio de Janeiro para que Campo Grande, caso venha a ter que enfrentar este tipo de situação, já esteja preparada com estas células de atuação.”.

O perito Júnior explica ainda que a criação do curso partiu de experiências feitas em outros países, como a formação da polícia iraquiana. “Nossa proposta agora é poder fazer o serviço específico para cada força, de forma a personalizar a atuação.”.

Jornal Midiamax