Polícia

Polícia Civil e prefeitura fazem vistorias em ferros-velhos da Capital

Ação busca peças e carros roubados, além de focos da dengue e problemas nas calçadas dos estabelecimentos; segundo informações da vigilância sanitária, as multas para os proprietários que forem autuados podem chegar a R$ 100 mil

Arquivo Publicado em 21/03/2011, às 14h23

None
2146856778.jpg

Ação busca peças e carros roubados, além de focos da dengue e problemas nas calçadas dos estabelecimentos; segundo informações da vigilância sanitária, as multas para os proprietários que forem autuados podem chegar a R$ 100 mil

A Polícia Civil e a prefeitura de Campo Grande estão fiscalizando ferros-velhos na região da Vila Progresso, na Capital.

A ação fará uma varredura nos 36 ferros-velhos que existem na Vila Progresso. A Polícia Civil está realizando o seu trabalho por meio da Defurv (Delegacia Especializada de Furtos e Roubos de Veículos) com o apoio da Derf (Delegacia Especializada de Roubos e Furtos e Deops (Delegacia Especializada de Ordem Política e Social). A ação da polícia consiste em averiguar se nos estabelecimentos há carros e peças roubadas ou furtadas.

A prefeitura está atuando por meio da Semadur (Secretaria Municipal de Meio ambiente e Desenvolvimento Urbano) e Sesau (Secretaria Municipal de Saúde Pública) que estão fiscalizando as calçadas do local e os focos de dengue.

Até o momento, os dois estabelecimentos que foram fiscalizados, ambos na rua Trindade, apresentavam focos da dengue.

De acordo com o Diretor de Controle Urbanístico e Postura da Semadur, Valdiney Costa, que está verificando as calçadas, não foram encontrados problemas. O segundo ferro-velho fiscalizado apresentou esse problema no passado, colocando peças e carros nas calçadas, porém já o resolveu colocando- os em um terreno ao lado.

Nesse segundo ferro-velho, foram encontrados focos de dengue em pneus. De acordo com Silvia do Carmo, fiscal sanitária, o proprietário do local será autuado e terá 15 dias para resolver o problema. A multa varia de R$ 100 a R$ 15 mil.

“Se a gente não penaliza, a irregularidade continua e todo mundo sai prejudicado”, disse Silvia.

O proprietário do local, Genaro Senhor Regis, disse que não sabia dos focos de dengue e que a responsabilidade de cuidar disso é dos funcionários.

“Não sabia que havia focos, eu falo para o funcionário cuidar desse problema e ele não se atentou para isso, ele vai ser despedido e eu posso até fechar o estabelecimento, não são muitos pneus, somente quatro”, disse o proprietário.




Jornal Midiamax